Oi gente!
Mais uma vez estou atrasada... Sinto muito. (; ̄д ̄)
Deixem eu me defender (hehe): Esses dias precisei sair de casa (lembram que estou desempregada? pois é, geralmente eu fico direeeeto em casa =P), por isso tive menos tempo para traduzir. Além disso, as novels estão para ser traduzidas tem capítulos longos, aí já viram, né? hehehe Por isso, sinto muito. Trouxe Only The Ring Finger Knows de novo só para não passar em branco. XD
Se tudo der certo, amanhã tem YDXJ. =D

Beijos~         
Lena.


_________________________________

Só o dedo anelar sabe

O dedo anelar solitário pt. 2



Houveram duas batidas na porta e, antes que Wataru pudesse responder, a maçaneta estalou e girou. Usando seus headphones, ele esperou silenciosamente pelo intruso e, obviamente, sua irmã mais nova, Karin, entrou rapidamente no quarto.
“Wataru, você tem um minuto?” Karin sorriu agradavelmente para ele e, como de costume, sentou em sua cama. Ela era um ano mais nova e frequentava uma escola só de garotas. “O que você está ouvindo? Algo novo que comprou?”
“A trilha sonora de um filme que vi recentemente.”
“Ah, aquele que você foi ver com o Kawamura, certo? Wataru, você ainda não tem uma namorada, tem?”
“Cuide de sua vida! Eu não preciso de uma namorada de qualquer jeito. Elas são muito estressantes e eu não posso ser perturbado!”
Ele tirou os fones e ligou as caixas de som. Instantaneamente, o quarto foi invadido por um animado vocal de estilo latino. Karin inclinou sua cabeça por um minuto e pareceu curtir a música. Enquanto seu corpo se movia de leve com o ritmo, ela logo voltou a falar.
“Sabe, Wataru... Posso pedir um favor?”
“Eu sempre sei quando você vai dizer isso, só pelo tom doce doentio da sua voz. Depende do que for. Você pode ser bem exigente, sabia?”
“Qual é, não diz isso, tá?” Seus cílios cobertos de rímel se curvaram para ele enquanto ela fixava o olhar no irmão. Com seus grandes olhos negros e boca forte e bem definida, ela realmente se parecia com Wataru.
“... Eu odeio pedir, mas... Você conhece um veterano da sua escola chamado Yuichi Kazuki? Você deve conhecê-lo. Todo mundo o conhece.”
“Y-yuichi Kazuki?!”
“Isso mesmo. Então, sabe, parece que é o aniversário desse cara Kazuki em breve e uma colega minha pediu para eu entregar um presente para ele, mas...”
“Agora, espera um pouco, Karin...”
“Me desculpa, eu sei. Você odeia esse tipo de coisa. Eu disse pra ela que você não faria. Mas essa garota, parece que está obcecada por ele, então... Só escapou que você frequenta a Ryokuyo High.”
Se ele só escutasse o que ela estava dizendo parecia plausível, mas, quando ele olhava para o rosto de Karin, era obvio que ela não se sentia nem um pouco mal. E uma vez que ela começava sobre “um favor”, ele sabia muito bem que seria impossível recusar.
Não tinha nada que ele pudesse fazer – Wataru suspirou enquanto olhava de volta para o rosto dela. Ele sabia que não era páreo para ela nessa discussão. “Então, o que? Para o aniversário daquele cara?”
“Nascido em junho, ele é de gêmeos, tipo sanguíneo A – Eu ouvi que ele é o segundo filho de um dentista. Bem, ele ganha muitos pontos só por isso! Além disso, ele é alto e tem boas notas, certo? Wataru, se você tem um amigo assim, porque você nunca o traz em casa? Não seja rude!”
“Aquele cara não é meu amigo!”
“Sério? Mas o jeito que você falou ‘aquele cara’ eu pensei que vocês fossem próximos.”
“B-bem... Mas...” Wataru deu um sorriso amargo e evitou o comentário inocente de Karin. Por ele estar usando anéis pareados com Yuichi e ter atraído a atenção das garotas na escola, não era surpreendente que ele se sentisse infeliz e não quisesse falar mais disso.
“De qualquer jeito, estou pedindo que você faça isso por mim. Tem uma carta dentro, então acho que Kazuki vai contatar ela depois que você entregar a ele.”
“Porque? Ele pode só ignorar. Aquele cara recebe tantos presentes que tenho certeza que ele poderia vende-los para ter um retorno.”
“Mas eu ouvi que ele não é cruel assim.” Karin apenas sorriu enquanto fazia o que para Wataru era um comentário completamente irritante. De acordo com o que ela ouvira, para cada carta ou presente que Yuichi recebia das muitas garotas, ele dava uma resposta educada de rejeição.
“Mas porque ele simplesmente não recusa os presentes? Que chatice...”
“Eu não sei porque. A maioria dos caras apenas ignoraria tudo. Talvez seja só parte do papel dele, mas se alguém lhe dá um presente você deveria pelo menos agradecer. E rejeitar alguém é bem doloroso, não? Elas choram e tal. Não têm muitos caras que iriam se desculpar e dizer ‘sinto muito’ quando eles não fizeram nada de errado.”
“Acho que você tá certa...”
“Você pode entender, não pode, Wataru? Você recusa um monte de coisas.” Karin sabia todos os detalhes da vida amorosa de Wataru desde o jardim de infância. Não era como se ele tivesse algo perto do número de admiradores que Yuichi tinha, mas ela era bem consciente do número de garotas que ele rejeitara.
“Então, é um acordo! Amanhã a garota vai me dar o presente.” Tendo arrancado a promessa dele, Karin mostrou seu mindinho e exclamou com um sorriso, “Isso!”
Forçado a entrelaçar os dedos com sua irmã, Wataru fez uma promessa-de-mindinho com um resmungo sombrio e coração pesado.

“Mas eu amo você, Kazuki.” Mai disse enquanto começava a chorar. Olhando para cima através de seus cílios molhados ela fitou Yuichi, calculando que ela fosse mais bonita daquele ângulo.
“Desculpe, mas não posso corresponder a seus sentimentos, não importa quantas vezes você os declare. Desculpe, Tachibana-san.”
“Você quer dizer... Não tem a mínima chance?”
Ele balançou a cabeça em um não e ela tentou se jogar nos braços dele. Mas logo antes que ela fizesse, ele gentilmente a segurou com ambos os braços e, infelizmente, a tentativa dela acabou em fracasso.
“Eu realmente sinto muito. Tenho certeza que você entende.” Sorrindo mesmo que ela entendesse ou não, Yuichi habilmente evitou as segundas intenções dela. Ela desistiu de sua pretensão e baixou os olhos, parecendo derrotada.
Lá, em um canto da mesma sala...
Isso não é bom... Não é bom... Sem pensar, Wataru quase falou em voz alta quando ele apressou sua mão direita sobre sua boca. Ele estava apertando contra o peito o presente embrulhado que Karin havia pegado ontem. O pacote enchia o braço, então ele pensou que provavelmente continha roupas.
Se possível, ele não queria entregar na frente de outras pessoas, mas ele odiava ficar se esgueirando atrás de Yuichi. Wataru havia seguido ele inocentemente, se perguntando o que ele poderia estar fazendo no estúdio de caligrafia depois da escola, mas antes que ele pudesse chamar o nome dele, Mai entrou. Wataru rapidamente se escondeu atrás de uma escrivaninha, mas agora seria ainda mais difícil para ele sair. Ele estava perdido.
Não posso contar sobre isso para Kawamura... Mesmo assim, enquanto escutada o que transparecia ele ficou bem impressionado. Yuichi não era popular com as garotas por nada, e a rejeição dele era impecável. Com essa voz gentil e olhar suave, ele firmemente mostrava uma força que não deixava espaço para argumentos.
“Ei.”
“.....”
“Ei, Wataru Fujii. O que você está fazendo aí? Não me diga que espiar é um hobby seu?”
“Ãh? Argh...!” Se batendo na escrivaninha, Wataru deu um salto, pego de surpresa. Sem ter notado, Yuichi agora estava olhando para ele do alto.
“Que surpresa encontrar você aqui.”
“Ah, hum... Bem, na verdade...”
“A propósito, carregando esse pacote enorme faz você parecer ainda menor.”
A zombaria desnecessária dele enfureceu Wataru, mas então ele lembrou de Mai. Como se lesse sua mente, Yuichi disse “Ela já foi... Mas, sério, o que você está fazendo aqui? Você não estava me seguindo, estava?”
“D-de jeito nenhum!! Não é isso... Tachibana... É isso, eu estava preocupado com a Tachibana...”
“Preocupado?”
Encurralado, Wataru inventou alguma coisa e Yuichi estreitou os olhos desconfiado. Mas tudo o que Wataru podia fazer nessa situação era continuar mentindo. “É-é verdade. Meu amigo tem uma queda por ela então ele pediu para que eu checasse...”
“Então, quer dizer que você sabia que ela viria falar comigo hoje. Isso me dá arrepios...”
“N-não é como se eu quisesse testemunhar aquilo. Para começo de conversa, você pode agir todo legal, mas por dentro você não está se arrependendo?”
Enquanto Wataru falava, Yuichi realmente parecia ficar irritado. Pela primeira vez, Wataru viu emoções claramente expostas no rosto dele. O que é isso...? Até agora, ele tinha um olhar tão gentil... Wataru tinha certeza que Yuichi não tinha esse olhar carrancudo na frente de Mai. Se tivesse sido ele em pé ali, ele não poderia evitar de ficar aborrecido pelas lágrimas de uma garota, mas Yuichi tinha deixado ela chorar enquanto gentilmente a observava.
Então, qual era a grande diferença?
Wataru sentiu-se sobrecarregado por uma raiva incontrolável. De repente, ele teve a clareza bruta na cabeça. Ele olhou para cima e viu Yuichi olhando para ele com as sobrancelhas franzidas.
“Qual é o problema?!”
“Claro, eu não sou uma garota bonita. E tenho certeza que acaba com seu estilo usar o mesmo anel que eu!”
“Huh?  Que deu em você?”
“Nada! Eu desisto. Estou saindo!”
Droga, ele bate forte... Amaldiçoando-o mentalmente, Wataru se virou para sair mas, de repente, foi agarrado pelo pulso. Wataru tentou se libertar, mas ele estava seguro por uma força surpreendente, e ele acabou encarando Yuichi. “O que você está fazendo?!”
Com um olhar duro, Yuichi franziu o cenho para ele, mas pareceu hesitar por um momento. Surpreso, Wataru olhou de novo para o rosto dele, mas sua expressão já tinha retornado para sua irritação original.
“Escuta.” As pupilas de Yuichi brilharam severamente. “Nunca mais me siga de novo. Se você não sair agora mesmo, eu vou dizer para todo mundo que você é um stalker.”
“Eu não estava... Era Tachibana...”
“Você é uma merda mentindo.”
A voz suave, o tom gentil – nada disso jamais era direcionado a Wataru. Yuichi usava palavras duras para afirmar seu ponto. Com um fraco baque no seu peito, ele silenciosamente apressou Wataru a sair. E enquanto Wataru se encolhia, enfraquecido, ele começou a sentir-se triste sem motivo algum.
O que eu fiz pra você...? Ele realmente queria perguntar, mas não importava o quanto tentasse, sua boca estava congelada e ele não conseguia falar. Abraçando o presente que ele esquecera de entregar contra o peito, lentamente ele virou as costas para Yuichi.

Eu sei que quem me vê provavelmente tem a impressão errada. Provavelmente 100% deles tem a ideia errada. A mente de Wataru acelerava enquanto ele procedia para a sala de aula do terceiro ano, incapaz de juntar coragem. Eu não me importo se alguém entender mal, ele pensou, mas quando a pessoa podia ser Yuichi, ele ficou chateado de novo.
Mas, realmente me incomoda que todos vão pensar que eu comprei um presente de aniversário para aquele cara... Sempre que alguém passava por Wataru, o coração dele não parava de pular, mas ele não podia vagar pelos corredores para sempre e o intervalo do almoço estava acabando. Ainda tinha algum tempo até o aniversário de Yuichi e Wataru queria realizar sua obrigação o quanto antes.
Se eu puder acabar com isso, estarei livre... Esse era seu único consolo agora. Wataru foi machucado profundamente quando Yuichi o chamou de stalker, então ele decidiu desistir dos jogos e seguir as regras. Eu vou só entregar isso e sair logo depois, e então eu nunca vou precisar ver esse Kazuki de novo. Ele não queria mais estar a mercê dessa nova dor no seu peito que ele não entendia.
“Kazuki? Sim, só um segundo.” O amigo dele respondeu agradavelmente enquanto entrava novamente, depois de Wataru finalmente juntar sua coragem e perguntar por ele. Bem, pelo menos ele tinha passado pelo primeiro obstáculo.
De certa forma, ele sentiu-se aliviado e logo Yuichi apareceu com sua usual e evidente relutância.
“Você de novo?” Ele suspirou, como se dissesse Me dá um tempo, enquanto olhava friamente através dos dez centímetros entre ele e Wataru. Podia ter sido a diferença na luz, mas o rosto de Yuichi parecia bem mais cansado que o normal.
Wataru de repente ficou preocupado – ele perdeu a coragem e parou ali sem palavras. Mas quando Yuichi baixou os olhos para o pacote nas mãos de Wataru, em um tom tão odioso como sempre, ele disse “Bem, bem, Wataru Fujii, o forte portador do presente. O laço é um toque bem feminino, mas, de alguma forma, estranhamente combina com você.”
“O-o que?!”
“... Eu não sei... Você tem vagado com isso por aí por um bom tempo já, não? Tem certeza que não é engraçado desse jeito?”
“O qu-... Eu só...” Tendo mordido a isca da provocação dele, Wataru rapidamente se recompôs. Se ele perdesse tempo com esse tipo de coisa, então todo mundo realmente começaria a fofocar.
“Pra quê a cara de raiva? Tem alguém no terceiro ano pra quem você gostaria de entregar isso? Você quer que eu entregue pra você?”
“O-o que mudou o seu tom?”
“Ãh? Você não sabe? Eu sou um cara legal. Você não sabe minha reputação?”
“Eu completamente esqueci disso no momento que lhe conheci.” Eu realmente queria poder esquecer, Wataru pensou tristemente. O cara parado na minha frente com os olhos mais frios é gentil com todos menos eu... É realmente um fato que eu não queria reconhecer.
Melhor me apressar e sair daqui, Wataru pensou, decidindo-se enquanto empurrava o pacote no peito de Yuichi. “Aqui. Logo é seu aniversário, certo?”
“O que...?
“Eu entreguei apropriadamente. Então aceite graciosamente.”
“... Para mim?”
Isso parecia ser completamente além das expectativas de Yuichi. Ele foi rendido sem palavras e, hesitantemente, ele estendeu a mão em direção ao pacote. Quando seus dedos tocaram o presente, seus olhos começaram a brilhar um pouco e a expressão dele – que até um momento atrás tinha sido tão sombria – de repente parecia ganhar um belo brilho.
Uma expressão tão natural, Wataru pensou com surpresa enquanto o observava. Ele é tão popular que deve estar realmente acostumado a receber presentes, mas poderia ser que ele age tão surpreso assim todas as vezes?
“Uh... Isso, sabe...” Se ele não falasse, ele poderia acabar parado ali, mudo de admiração, então ele apressadamente gaguejou um comando. “Humm, responda imediatamente, sim? Tem uma carta dentro...”
“Uma carta? Esse é seu estilo?”
“N-não me pergunte. Só leia e você vai entender tudo. Eu só...”
“Certo. Então eu só devo ler?”
“Isso... é isso...”
Enquanto eles falavam, Wataru começou a ter a sensação muito desconfortante de que era ele quem estava dando o presente para Yuichi. Ou pelo menos, essa era a impressão que tinha pela cara de Yuichi. Era quase como se ele não soubesse se deveria mostrar felicidade por esse presente inesperado. Essa era a primeira vez que ele via essa nova e revigorante expressão. Sem o sorriso gentil ou um traço do olhar irônico, ele viu os verdadeiros sentimentos de Yuichi.
Desarmado, Wataru percebeu seu grande erro. Ele ainda não tinha mencionado nada para Yuichi sobre quem era o remetente do presente. “Uh... Es-espera!” Ele disse sem pensar. “Es-esse presente... não é de mim! N-não tenha a ideia errada!”
“Que ideia...?”
“Digo, uma garota que vai para a escola da minha irmã mais nova me pediu para lhe dar isso... Ela basicamente me forçou...”
“Ah, entendo.” Yuichi imediatamente aceitou a explicação de Wataru, parecendo quase desapontado. Fixando seus olhos no pacote, ele perguntou, “O que tem dentro?” A voz dele já estava de volta ao normal.
“Eu não faço ideia. Não perguntei.”
“Bem irresponsável de sua parte. E se fosse uma bomba e isso fosse o trabalho de alguém que tem rancor contra mim? Você não se sentiria responsável?”
“Rancor? Ninguém tem rancor contra você, tem? Não é você aquele com a reputação de estudante de honra?”
“Eu não diria isso.” Com um olhar vigoroso e um fraco sorriso, Yuichi cruzou os braços sobre o presente. “Eu sou popular. Eu poderia ter feito inimigos sem saber.”
“.....”
Normalmente, algo desse tipo só podia ser levado como uma brincadeira, mas o fato de Yuichi ter se atrevido a dizer isso o fez estranhamente convincente. A cor adorável tinha sumido completamente de seu rosto e um brilho sinistro estava de volta aos olhos dele. Dando um passo para diminuir a distância entre eles, Yuichi encurralou Wataru contra a parede.
“você sabe quando é meu aniversário?”
“Se-sete de junho...”
“Bingo. Bom pra você.” Yuichi bateu com sua mão direita na parede e só encarou Wataru. Ele estava tão perto que ele podia sentir sua respiração. Se ele quisesse escapar ele poderia, mas por alguma razão, Wataru não conseguia se afastar.
“Obrigado pela entrega especial.” Movendo seus lábios lentamente, ele falou sem o mínimo brilho em seus olhos. “Mas você realmente é insistente. Perdendo seu tempo de almoço fazendo tarefas para uma garota que você nem conhece. Você deve estar realmente entediado.”
“Não fale comigo desse jeito! E eu lhe disso, eu só prometi para minha irmã que...”
“Alguma vez você pensou que poderia ser sua irmã?”
“O que?”
“O presente poderia ser dela e ela só está dizendo que é ‘de uma amiga’, quando na verdade ela é quem está caída por mim. Bem?”
Wataru estava tão surpreso agora quanto quando foi insultado. Ele sentiu o sangue subir para sua cabeça. Com a parede fria a sua costa, Wataru encarou Yuichi, que parecia estar tendo mais e mais diversão. Os cantos de sua boca lentamente se curvando para cima.
“Eu não sabia que você tinha um complexo de irmã, criança.”
“Não me chame de criança!” Dizer que ele tinha um complexo de irmã era extremamente inquietante para Wataru – já que ele e Karin pareciam tanto um com o outro isso era tão ruim quanto ser chamado de narcisista.
Yuichi apertou forte o ombro de Wataru e sussurrou, “Então do que eu deveria chama-lo? Você parece odiar sempre que eu lhe chamo.”
“B-bem... que tal Fujii kouhai [N/T: forma de tratamento para um aluno de uma série abaixo da sua]. Também poderia ser ‘kun’?”
“Fujii Kohai?”
“Não, bem, não se importe com a parte do kohai. Se não isso, então... Humm...”
“Que tal ‘Wataru’?”
De repente eles estavam na base de primeiros nomes. Logo que ele disse isso, Yuichi aproximou sua cabeça da orelha de Wataru. Sentindo a leve respiração de Yuichi, Wataru enrijeceu em reflexo. Em uma voz baixa e rouca, ele umedeceu a orelha de Wataru com a palavra mais perigosa de todas.
“Wataru...”
“Uhhh...” Ouvindo seu nome ser dito tão significativamente, de uma vez a temperatura do corpo de Wataru subiu. Esse era um prazer que ele nunca tinha experimentado antes. Wataru foi dominado enquanto a morna sensação gradualmente se espalhava pelo seu corpo. Com sua vontade capturada, ele não podia nem olhar para Yuichi. Tudo o que ele podia fazer era esperar que essa onda de prazer passasse logo.
“Wataru?” Ele tinha desviado o olhar sem se mexer um centímetro. Yuichi tirou a mão que segurava seu ombro esquerdo e a moveu para o queixo de Wataru. Mas, quando Wataru notou o anel no dedo dele, ele bruscamente empurrou a mão para o lado.
“C-corta essa!”
“O que?! Tudo o que eu fiz foi dizer seu nome.”
A frustração de Wataru se acumulou com a resposta brusca de Yuichi. Mesmo que ele perguntasse, O que você ia fazer agora...? ele sabia que Yuichi rapidamente leria sua mente.
“Você congelou de repente. Eu queria ver sua expressão. O que, você pensou que eu ia lhe beijar ou algo assim?”
“E-eu não disse isso...”
“Mesmo? Então porque você está corando? O que aconteceu com a sua atitude, Wataru?”
“Não me chame assim!”
“Você reclama demais. Além do mais, é você quem está sendo familiar demais com um veterano. Pense nisso!” Sorrindo ironicamente, Yuichi de repente empurrou o presente de volta no peito de Wataru. Enquanto ele saía, ele disse apressadamente, “Aqui...” enquanto ele se virava com um gesto dispersivo. “Desculpe, mas não tenho a vontade de carregar isso. Eu não posso aceitar. Devolva ao remetente.”
“Eu não posso fazer isso! Eu pensei que você aceitasse presentes de todo mundo?!”
“Bem, é verdade, eu não tenho favoritos.”
“Então, porque...?!”
“É um motivo bem simples.” Yuichi pausou e afirmou impassível, “Porque foi você quem trouxe.”
“Mas...”
“Diga a eles que, se quiserem me dar alguma coisa, para fazerem isso eles mesmos ao invés de pedir pra outra pessoa. Ah, e sobre o nome...”
“O que...?”
“Você pode me chamar de sr. Kazuki.”
“.....”
Enquanto Wataru ficou em pé ali, mudo, Yuichi calmamente voltou para a sala de aula. Com uma costa reta, ele mostrava uma figura fina de costas. De alguma forma, até o uniforme normal dele parecia estiloso; a blusa branca de verão parecia melhor nele do que em qualquer outra pessoa.
Mas por dentro ele é o pior, Wataru pensou, chocado. De acordo com Karin, ele era o tipo de pessoa que iria aceitar apropriadamente e agradecer educadamente alguém por um presente, ou pelo menos era o que diziam. Uma vez que Yuichi recusou esse gesto, ele tinha feito alguma coisa errada? Tudo o que Wataru podia pensar era que Yuichi realmente o odiava. É, ele deve... Ele não disse na cara que não aceitaria porque Wataru havia trazido?
“Karin vai me matar...”
Mas esse não era o único motivo para a dor em seu peito. Mas naquele momento, entretanto, Wataru não sabia o suficiente para perceber.

“Eu não acredito! Wataru, o que você fez?! Eu vou totalmente perder o respeito!!” Exatamente como ele imaginara, Karin chegou em casa e ele foi imediatamente coberto com uma saraivada de abusos verbais. “Você sempre foi assim, Wataru. As pessoas acham que você é amável e você tem bastante amigos, mas tem esse lado frio em você, sabia?”
“O que isso tem a ver com o assunto?”
“Tudo! Até com a Nano, você de repente terminou com ela dizendo que você não tinha certeza se a amava ou não. Eu aposto que você nunca nem sentiu amor por ninguém antes. Não é por isso que você é tão indiferente?”
“Karin, já lhe disse, aquele cara Kazuki, ele não é o grande cara que vocês pensam que ele é, sabe?”
“Quem se interessa por um cara que não se permite ser idealizado?!” Olhando de lado, ela caiu em silencio por um estante. Finalmente, Wataru pensou, aliviado. Mas então ela falou em uma voz inescrutável, “Humm... Não é incomum da sua parte só voltar furtivo depois de ter o presente jogado de volta na sua cara? Você é esse tipo de pessoa?”
“Forçar um presente a uma pessoa que não o quer é insultante, não é?”
“Acho que sim, mas...” Com um olhar de insatisfação no rosto, Karin colocou um avental e começou a preparar o jantar. Já que sua mãe frequentemente trabalhava até tarde, Karin geralmente se responsabilizava pela refeição noturna na casa deles. Mas parecia que o jantar naquela noite consistia de todas as coisas que ele não gostava. “Sabe, Wataru...”
“O que?”
“Bem, eu odeio dizer isso, mas você acha que o Kazuki realmente odeia você? É o que parece depois de ouvir suas histórias.”
“.....”
“Por outro lado...” Tirando as cebolas que Wataru detestava da sacola de compras, Karin sorriu significativamente. “...talvez ele realmente gosta de você, Wataru?”

Com o coração pesado, Wataru se arrastou para a escola e se forçou a abrir a porta da sala de aula. Seus colegas, que estavam conversando entre si, olharam para ele e então fizeram questão de desviar seus olhares.
Como pensei... Seus ombros caíram desanimados com o desenvolvimento previsível. Quando ele chegou em seu lugar, Kawamura, que já estava lá, se apressou com um olhar empolgado no rosto.
“Wataru, você...”
“Para! Nem todo mundo precisa saber! É verdade, eu levei um presente para o Yuichi Kazuki e eu sou a primeira pessoa na história a ter o presente jogado de volta na minha cara!”
“Ãh? Isso realmente aconteceu?”
“O que?” Parecia que um boato diferente do qual Wataru não sabia estava circulando. Ele olhou de volta para Kawamura e perguntou em uma voz baixa, “Espera, do que você está falando?”
“Bem, realmente envolve o Kazuki... Ontem, depois que você foi pra casa, ele veio na nossa sala! Você não sabia?!”
“Kazuki?! Por que?”
“Ele pediu que eu dissesse pra ele qual escola sua irmã frequenta, com um olhar realmente sério no rosto. Foi quase como se ele tivesse esperado por um momento que ele soubesse que você não estaria aqui.”
“O que aquele cara tá pensando...?” Talvez por causa do jeito que Wataru resmungou taciturno, Kawamura parecia se sentir meio responsável.
“Desculpa, eu simplesmente contei pra ele,” ele disse se desculpando. “Desde o incidente do anel, eu pensei que vocês tivessem superado, mas acho que vocês dois ainda estão em contato, huh?”
Nós não estamos!”
“Mas você deu um presente a ele, certo? Pensando nisso, essa manhã, eu realmente ouvi um boato de que Kazuki tinha até admiradores homens agora... Entããão, aquilo era sobre você?”
“Não seja convencido tão facilmente!!” Wataru explicou rapidamente a história por trás do presente, ansioso para que Kawamura entendesse. Mas não é como se ele pudesse andar pela escola toda dando desculpas, então ele não poderia parar completamente os boatos.
“Não se preocupe.” Kawamura casualmente sentou na carteira de Wataru, consolando-o com um jeito tranquilo. “Por agora, a história que Kazuki veio perguntar sobre sua irmã já deve ter se espalhado. Todos vão concluir que o Kazuki está atrás da Karin, e todo o incidente dos anéis combinando vai ser contabilizado como sendo por causa da sua irmã!”
“Você acha...?”
“É muito mais acreditável que Kazuki estaria apaixonado pela sua irmã do que por você. Não vão pensar nada sobre um irmão entregando o presente de sua irmã, certo? E já que a Karin frequenta outra escola, ela não vai ser incomodada por nenhuma fofoca aqui... Está tudo bem!”
Ouvindo a história de Kawamura, Wataru percebeu porque Kawamura estava de tão bom humor. Se Kazuki tivesse um interesse amoroso, Mai teria que desistir dele, não? E mesmo que fosse apenas um boato, Kawamura ainda poderia investir nela. “Kawamura, você realmente é...”
“O que?”
“...fiel aos seus desejos, não é?” Wataru riu, impressionado.
“É!” Kawamura falou entusiasmado, dando a ele um sinal afirmativo com o polegar.

“Qual é, sério?” Wataru suspirou pesadamente de pé olhando os livros na prateleira do topo. Era deprimente o suficiente que ele tinha que estar na biblioteca cheia de poeira esticando tanto seu pescoço que doía, sem nem ter almoçado ainda. “Tachibana deve estar cabulando o trabalho de classe.”
Talvez sua parceira Mai estivesse com raiva pelas notícias sobre Wataru e Karin e tenha abandonado seu trabalho e desaparecido para algum lugar.  Agora, Wataru teria que carregar todo o material para a primeira aula da tarde sozinho. Ele tinha a lista do professor de inglês na mão, mas Wataru já estava desencorajado.
“O que eu devo fazer com todos esses livros? Quero dizer, sério...” Mas como ele estava humilhado demais para dizer qualquer coisa, ele simplesmente ficou parado ali olhando para a estante, mordendo o lábio. Ele não conseguia alcança-los. Provavelmente porque eles eram livros de inglês raramente usados, todos os livros na lista estavam na prateleira mais alta da fileira bem no fim. Quando ele tentou pegar um deles, seus dedos mal podiam alcançar a lombada, o que deixou Wataru com um humor ainda pior.
“Porque isso está acontecendo comigo...?” Wataru estalou a língua e olhou em volta por uma escada. Como ele nunca realmente vinha à biblioteca, ele não sabia onde as coisas ficavam, mas até onde ele podia dizer, não havia nenhuma escada. Ele realmente não queria, mas não tinha escolha. Wataru olhou para cima de novo para confirmar onde o livro estava e colocou um pé na prateleira.
Nesse momento ele ouviu, “Qual?”
Wataru ficou tão surpreso de ouvir as palavras bruscas de repente que seu coração quase pulou do peito. O impulso quase o desequilibrou e ele perigosamente chegou perto de cair para trás, mas, por pouco, ele foi pego e impedido de ser atirado ao chão. Soltando um suspiro de alivio, Wataru levantou os olhos cautelosamente... e então entrou em pânico. “O-o que você está fazendo aqui?!”
“Eu deveria lhe perguntar a mesma coisa. Eu pensei que você fosse o estudante menos fã de livros da escola, então o que você pensa que está fazendo?”
Quando ele viu que a pessoa que o salvara era Yuichi, Wataru ficou altamente confuso. Ele rapidamente se levantou e se afastou dos braços de Yuichi e franziu as sobrancelhas dizendo, “Muito... o-obrigado...”
“Não há de que,” Yuichi respondeu despreocupadamente, rapidamente tornando seu olhar para a prateleira que Wataru estava olhando tão intensamente. “Então, qual é?”
“Ãh?”
“O livro. Você queria, não? Me diga e eu pego pra você. Você não vai conseguir alcançar, vai?”
“Cuide da sua vida!”
“E a escada está quebrada”, Yuichi disse mostrando seu ponto enquanto Wataru engasgava com suas palavras. Trata-lo como um fraco o deixou com raiva, mas o real problema era que para alguém baixo como ele, pegar os livros da prateleira seria uma tarefa realmente difícil.
“É melhor do que escalar, não é?” Yuichi sorriu brilhantemente, como se ele estivesse brincando com Wataru, e pegou a lista da mão dele. “Isso me traz lembranças. Eu li os mesmos livros ano passado também. Essa lista é do Suzuki, o professor de gramática, não é?”
“Você leu...? Mas são em inglês.”
“Usando um dicionário, sim. Leia um inteiro uma vez, escreva um relatório e você pode até ter uma chance em uma boa universidade.” Habilidosamente tirando cada livro, Yuichi entregou o último volume para Wataru, que por alguma razão não podia responder alegremente à brincadeira dele.
“Humm... Posso perguntar uma coisa?”
“Claro.”
“Por que você está sendo tão legal hoje?” Ele se atreveu a forçar sua pergunta enquanto Yuichi fechava o livro que estava folheando. Uma leve ruga apareceu entre as sobrancelhas dele e, depois de um silencio considerável, ele falou escolhendo cuidadosamente as palavras.
“Seria um problema se esses livros de referência não fossem preparados, não seria? Pelo que parece, você era o único aqui.”
“É, mas...”
“Eu não tive escolha: Eu vejo um nanico que está tendo problemas para alcançar os livros. Por acaso eu estou aqui. E também por acaso eu sei que a escada está quebrada. Então, é claro, eu devo ajudar. Não se preocupe, eu não fiz isso só porque era você.”
“Mas você poderia ter me ignorado...”
“O que você está dizendo? Você é irresponsável. Se os livros de referência não estão prontos a classe toda sofre, certo?” Não havia espaço para argumentar – era a resposta perfeita. Mesmo assim, as fortes palavras de Yuichi foram completamente desmentidas pela sua expressão desconfortável.
Ele provavelmente se sente bem incomodado... Ele tinha sido tão ruim o tempo todo com Wataru, e mesmo que fosse por acaso, o fato que ele tinha que ser legal com ele provavelmente incomodava bastante   Yuichi. É porque você é tão estranhamente sério sobre algumas coisas, Wataru pensou, o que acertou ele como sendo tão engraçado que ele quase explodiu em risadas, a despeito dele mesmo. Era verdade. O que Yuichi disse fazia sentido, mas se ele realmente fosse um babaca ele teria simplesmente o ignorado, não importando a razão, e continuado seu caminho. Talvez esse cara seja só realmente teimoso... Dando uma olhada no perfil dele, não tinha nem uma ponta de preocupação por Wataru. Yuichi parecia estar tentando desesperadamente manter uma fachada séria.
Wataru tinha visto exatamente aquela expressão antes. Enquanto ele percebia isso, ele lembrou do momento que ele entregara o presente. Ontem, Yuichi tinha tido exatamente a mesma expressão no rosto. É como se, por uma fenda na expressão dele, Wataru pudesse ter um vislumbre de suas reais emoções e ele ficava perturbado por não poder escondê-las. Wataru se perguntava o que iniciara isso. Será... eu? Enquanto ele balbuciava as palavras, seu coração acelerou.
Ele podia estar totalmente errado, mas seu coração começou a palpitar no momento que esse pensamento lhe ocorreu. Não pode ser que ele mostrou tal emoção porque ele pensou que o presente era de mim... Se esse fosse o caso, então talvez Yuichi não odiasse Wataru no fim das contas. Seu coração bateu ainda mais rápido com a pequena esperança encontrada. Mas mesmo que ele quisesse confirmar tal coisa, Yuichi não lhe daria uma resposta, daria? Ele provavelmente só olharia mais friamente para ele. Foi isso o que doeu ainda mais em Wataru.
Ele desistiu de qualquer pensamento além disso e decidiu levar a pilha para a sala de aula. Mas exatamente como ele temia, não tinha como ele ser capaz de carregar uma montanha de livros pesados sozinho. Ele estava perdido, até que Yuichi, que tinha caído em silencio, falou, “Quer que eu ajude você?”
“Huh? Você faria?”
“Só se...” De novo com o familiar rosto mal-humorado, um sorriso brilhante veio aos lábios dele. “...você abaixar a cabeça e pedir direito.”

Era no dia seguinte depois da escola. Enquanto eles saiam da sala de aula, Wataru e Kawamura estavam falando em parar para comer fast food no caminho de casa. De repente, eles ficaram conscientes de uma estranha comoção que os fez parar. Olhando em volta, eles viram hordas de garotas descendo as escadas apressadas com olhares ansiosos nos rostos.
“Tá acontecendo alguma coisa?” Kawamura perguntou a uma das meninas, que olhou para trás distraidamente.
“Você não sabia? O time de basquete está jogando contra Kaisei High em um treino no ginásio.”
“Tudo isso só por um jogo de prática?”
“Claro! Kazuki está no jogo! Um amigo dele do time pediu que ele jogasse como substituto. Já começou...” Ela sumiu quando os deixou apressada. Kawamura acotovelou Wataru enquanto perguntava, “O que você quer fazer? Devemos passar no ginásio?”
“Sério? Eu pensei que você não gostasse do Kazuki.”
“Bem, é... Ele é meu rival no amor...” Kawamura pareceu hesitar até que o corredor estivesse vazio para acrescentar, “Bem, Wataru, você parece querer ir.”

 A escola de Wataru era uma instituição preparatória para a universidade, então era gentil dizer que eles tinham um time de basquete decente. Mesmo assim, a pontuação estava 20-38, e Ryokuyo tinha uma liderança opressora.
“Ei...! Não somos tão ruins afinal”, Kawamura disse, impressionado, enquanto Wataru sentava a seu lado, cismado, com um olhar confuso no rosto. Como eu acabei aqui no ginásio, ele se perguntava. Isso não só confirma ao Kawamura quando ele disse ‘você parece querer ir’? o que eu estava pensando?
Mesmo que ele fosse apenas um substituto, Yuichi era a estrela do time. Enquanto ele corria para cima e barra baixo da quadra, ele parecia tão legal sem esforço. Era fascinante para qualquer um assisti-lo jogar e Wataru sentiu uma palpitação em seu peito. Esse devia ser o Yuichi Kazuki que todo mundo conhecia e amava tanto.
Eu queria que fosse suficiente apenas olhar pra ele... Enquanto Wataru se perdeu em seus pensamentos, uma exclamação veio da multidão. Yuichi pontuara de novo. O par de garotas bem na frente dele bateram palmas enquanto gritavam e pulavam.
“Ei Wataru, você viu aquilo?” Kawamura sussurrou em meio ao barulho. “Kazuki lhe viu. Ele olhou e deu um sorrisinho. E durante o jogo! Cara, ele é confiante!”
“Sério...?” De alguma forma, Yuichi pensar que Wataru tinha ido torcer por ele o incomodava um pouco. Com aquele olhar arrogante no rosto, ele provavelmente vai começar a implicar de novo.
Mas, se ele deixasse seus sentimentos de lado e assistisse o jogo, Wataru tinha que admitir que Yuichi jogando era espetacular. Ele era tão melhor que os outros jogadores que ele não podia realmente trabalhar em jogadas combinadas, mesmo que tivesse muitas oportunidades. Mesmo assim, Yuichi não estava irritado – pelo contrário, ele parecia estar gostando do jogo. Talvez fosse por isso que os outros jogadores também pareciam relaxados e empolgados de estarem jogando.
“Ele não parece... perfeito demais?” Ele ouviu Kawamura resmungar para si mesmo, apesar de estarem rodeados por torcidas como se eles estivessem no show de um ídolo adolescente. O jogo já estava na segunda parte e a liderança deles só tinha aumentado.
Mas por que aquele ser “tão perfeito” era tão hostil com Wataru? Ele ainda tinha que desvendar o mistério. Ontem na biblioteca, Wataru sentiu que ele tinha tido um vislumbre da verdadeira natureza dele, mas agora, dessa distância, ele estava incerto novamente. O estudante gentil, atenciosos e sério... ou mau, arrogante e mal humorado... Ele nunca, jamais, mostra suas verdadeiras cores... Qual é o verdadeiro Yuichi? Ele se perguntou.
“Incrível! Outra cesta!” Em algum momento Kawamura foi absorvido pelo jogo e agora ele erguia seu punho direito em uma pose de vitória. Yuichi tinha marcado dúzias de pontos sozinho e todos estavam convencidos de que Ryokuyo ia ganhar.
Mas...
De repente, Yuichi ficou parado e levantou uma mão para parar o jogo. Enquanto seus colegas e espectadores esperavam para ver o que aconteceria, Yuichi se apressou para fora da quadra com uma expressão estoica.
“O que? Ele se machucou ou algo assim?”
“Machucou?” Se esse fosse o caso, ele mostrava uma expressão bem calma. Enquanto Wataru observava o rosto de Yuichi enquanto ele saía, ele pensou, Talvez...
O jogador substituto de Ryokuyo foi chamado do banco. Começando com Kawamura, um grito veio dos estudantes que se reuniram no ginásio, mas tinha menos de cinco minutos de jogo. Desse jeito, Ryokuyo podia ganhar mesmo sem Yuichi.
Mas aquele que havia trabalhado mais pelo time não estava mais em quadra. Wataru olhou para o banco e viu ele terminar uma curta conversa com o técnico e sair sem esperar para ver o resto do jogo.
“Kazuki...” Nesse momento, Wataru queria correr atrás dele, sem se importar com o que as pessoas pensariam. Mesmo que fosse Yuichi quem tinha levado o jogo até esse ponto, Wataru tinha a impressão de que entendia porque ele saíra bem antes deles ganharem.
“Para ser substituído de repente daquele jeito, alguma coisa deve ter acontecido. Você não acha, Wataru?”
“Desculpa, Kawamura, eu tenho que ir!” Enquanto ele corria distraidamente, ele se perguntou se tinha sido muito abrupto. A multidão que havia ido especificamente para ver Yuichi se perguntava se ficava até o fim, mas surpreendentemente, poucas pessoas decidiram sair.
Calçando seus sneakers enquanto saia, Wataru parou enquanto olhava em volta. Yuichi só tinha saído momentos atrás, mas ele não estava em lugar algum a vista. “Não pode ser... Por que ele não está aqui?” O jardim da escola estava quieto, como se o furor dentro do ginásio tivesse sido um sonho, o que fez Wataru se sentir ainda mais perdido. “O que... Para onde ele foi?”
“Procurando por mim?”
Ouvindo uma voz atrás dele, Wataru ficou tão surpreso que era incapaz de se virar. Antes que seu corpo congelado voltasse ao normal, ele percebeu que alguém estava se aproximando devagar por trás dele, “Kazuki?”
“É Sr. Kazuki pra você.” Sua voz risonha derreteu no sol da tarde. Envolto pelo céu cor de uva, Wataru de repente quis se agachar ali mesmo como uma criança. Se ele se virasse, ele sabia que Yuichi falaria rudemente com ele como sempre. Mas a voz que ele ouviu agora era gentil.
“Eu estava certo.”
“Huh?”
“Eu sabia que você correria atrás de mim,” Yuichi disse enquanto tocava Wataru, que ainda não olhara para ele, no ombro. “Você veio correndo, não veio? Que tolo... Essa vai ser a primeira vitória do time de Ryokuyo há séculos. Como você pode perder um momento tão histórico?”
“Kazuki...”
“Você está arruinando seus sapatos.” Como Yuichi falara, ao correr atrás dele, Wataru não se importou em calçar os sapatos apropriadamente. Os sneakers Etonics que ele havia guardado sua mesada para comprar estavam bem amassados nos calcanhares. Wataru se abaixou desconfortável e, por alguma razão, Yuichi acocorou do lado dele. O uniforme de basquete dele balançava com a brisa e, mesmo que fosse quase verão, havia alguma coisa fria com relação a sua pele suada. Por alguma razão a linha de seus ombros redondos e nus deixou Wataru desconfortável enquanto ele atava seus cadarços em silêncio.
“O jogo deve acabar em breve.”
“Você não me engana, Kazuki. Você estava planejando sair antes do fim todo o tempo, não estava?”
“O que?”
“O jogo. Porque você sequer se importou? Eles estão ganhando por sua causa. Aposto que o time quer que você jogue até o fim.”
“Eu fiquei entediado,” Yuichi disse despreocupado, sua expressão nem séria nem brincando. Mais uma vez envolto em névoa... Wataru pensou enquanto lhe dava um olhar duro. Yuichi deu de ombros, “Seria irritante se eu tivesse ficado.”
“Isso não é...”
“Não, não para eles. Eu quero dizer eu, eu ficaria irritado.”
Nesse momento, um grito alto balançou o ginásio e eles puderam ouvir o apito finalizando o jogo. Julgando pela alegria, parecia que Ryokuyo tinha ganhado. Logo, os outros alunos começariam a sair com expressões empolgadas nos rostos.
Yuichi soltou um suspiro e lentamente levantou. Enquanto Wataru fazia o mesmo, os olhos de Yuichi caíram nos sneakers de Wataru. “Esses são legais,” ele disse, dando a ele um elogio incomum. “Moldura leve, calcanhares altos e desajeitados... O contraste combina com sua personalidade perfeitamente”.
“O que quer dizer com isso?”
“Que você é bronco e não refinado.”
Wataru pensou em como seus anéis de tamanhos diferentes pareciam tão elegantes em Yuichi que era como se não fossem o mesmo anel, e ele realmente não podia discutir com ele. Ao invés de abrir a boca, ele fechou a cara para Yuichi com um olhar descontente.
“E essa é a resposta mais previsível.” Mesmo sendo encarado, Yuichi parecia feliz de algum jeito. Ele correu seus longos dedos pela franja e, olhando para o céu escurecendo, sussurrou, “É melhor eu me trocar.”
Ei... Quando Wataru notou que Yuichi não estava usando o anel dele, ele foi repentinamente tomado por uma sensação de solidão. Enquanto o mesmo anel ainda estava em seu dedo médio, o que Yuichi havia feito com o dele? Ele quase sentiu como se tivesse perdido sua outra metade. Ah é, como Yuichi disse, ele deve só carregar ele por aí... Mesmo assim, a visão dos dedos nus de Yuichi era, de alguma forma, triste. Para Wataru, que sempre odiara ter o mesmo anel que outra pessoa, essa era uma grande mudança de sentimento. Ele não podia entender porque ele estava tão chateado por um simples anel.
“O que? O anel? Eu tirei para o jogo,” Yuichi disse de repente, enquanto balançava os dedos da mão direita diante dos olhos de Wataru. “Ruim pra você que eu não perdi, huh?”
“Não, eu...”
“Eu pude dizer na hora pelo jeito que você estava olhando – cara, você é fácil de entender. Felizmente, eu não sou tão estúpido para perder ele de novo.”
“... Então eu sou estúpido.”
“Huh?”
“Eu perdi ele uma vez antes.”
Os dedos de Yuichi pararam de se mexer com a resposta de Wataru. Ele pediu silenciosamente e Wataru continuou, aturdido. Se ele não fosse cuidadoso, Yuichi tiraria sarro dele de novo. Ele se sentia inquieto por dentro, mas, surpreendentemente, Yuichi seriamente baixou a cabeça para ouvir sua história.
“Foi aproximadamente um ou dois meses depois de o ter comprado. A mesma coisa. Eu perdi o anel na escola. Vê, eu tirei ele para lavar as mãos como da última vez e deixei lá. Ele não foi tão caro, então eu desisti dele facilmente... Mas então uma semana depois ele voltou.”
“Voltou?”
“É. Eu ainda não sei como, mas eu vim pra escola uma manhã e lá estava ele na minha carteira. Eu estava tão surpreso. Era quase como se o anel tivesse voltado pra mim por vontade própria e, bem... Eu fiquei comovido...”
“Entendo...”
“Desde então, eu cuidei bem dele. Porque, você não ficaria feliz se conseguisse de volta uma coisa da qual já tinha desistido? Quando olho para esse anel, eu posso lembrar do sentimento...” Em algum momento, Wataru ficou consciente do quão apaixonadamente ele estava falando e ele corou e se calou. Isso foi infantil...? Ele se encolheu com aversão a si mesmo.
Mas Yuichi, que estivera silenciosamente ouvindo ele falar, repetiu levemente, “Algo que eu já tinha desistido...”
“É, eu acho que isso me faria feliz.”
“O que...”
“Mas se quer saber, é bem ruim para você que eu tenho o mesmo design. Aquele anel fica bem melhor em mim, não fica?”
“Kazuki, como se atreve...”
“É ‘Sr.’ Pra você, Wataru. Apesar da sua aparência, sua personalidade não é nem um pouco fofa.”
“Fofa...?! Não diga fofa!! Me dá arrepios! De qualquer jeito, você...”
“Eu disse que você não é fofo, não disse? Pare de se irritar e escute.”
Quanto mais afetado Wataru ficava, mais provocativo ficava o escárnio de Yuichi. Estava finalmente indo bem, mas no fim, Yuichi agia como se tudo fosse uma grande brincadeira. Wataru tinha se apressado porque estivera preocupado com ele e agora Yuichi só pensava que ele era um tolo.
“Só pra você saber, eu nunca vou tirar esse anel de novo! Então, é claro, isso quer dizer que eu nunca vou perde-lo também! Eu tenho mais apego a esse anel do que você jamais vai ter, então eu rezo a cada dia para que você fique cansado do seu! E o fato que temos o mesmo design realmente me dá nos nervos!” Wataru se entregou às palavras do momento que ele realmente não queria dizer e continuou, mesmo que elas contradissessem os sentimentos dele de alguns momentos atrás. Mas ele tinha medo que se não agisse daquele jeito, Yuichi talvez descobrisse que ele sentia como se o anel dele fosse sua outra metade.
Enquanto um curto silencio caiu entre eles, pela primeira vez Wataru percebeu o quão escuro o céu ficara. A área em frente a eles ficara mais barulhenta e estudantes saiam aos montes do ginásio. Eles dois estavam em um ponto que não era visível das portas da frente e estava bem escuro ao redor deles, mas sem saber se alguém podia ver eles, Wataru ficou cada vez mais desconfortável.
“Bem, estou indo agora.” Ele se perguntava que tipo de discurso daria da próxima vez que visse Yuichi enquanto se apressava para desaparecer na multidão.
E então...
“K-Kazuki...?”
Seu pulso foi pego firmemente, Wataru não podia se mover. Ele lutou para se libertar desse acontecimento inesperado, mas a força com que seu pulso era segurado era surpreendentemente forte e ele não podia se libertar facilmente.
“Kazuki...  Que...?! Wataru ficou amedrontado com os olhos de Yuichi. O olhar firme dele estava fixo em seu dedo médio. Lá estava o mesmo anel de prata que Yuichi havia tirado. “Q-Que... você está com raiva?” Para seu horror, ele podia ouvir sua voz tremendo levemente.
Yuichi puxou o pulso de Wataru, tirando sua mão toda das sombras. Então, lentamente, Yuichi deslizou seu olhar do anel de Wataru para seus olhos, onde se fixaram por um momento.
“Você não cala a boca,” ele murmurou em uma voz baixa, enquanto rapidamente moveu seus lábios para o anel de Wataru. Aconteceu tão rápido, que no momento que Wataru voltou a si, seu pulso já havia sido libertado.
“Bem feito pra você,” Yuichi disse, umedecendo seus lábios com a língua e sorrindo audaciosamente.
Mas Wataru ainda não podia acreditar no que havia acabado de despertar em seu corpo. Sua mão direita estava tremendo só um pouco, como se para provar que o beijo de Yuichi era real.
Com o sorriso desaparecido de seus lábios, Yuichi observou o estado estupefato de Wataru por um tempo. Então, como se desistindo de alguma coisa, ele suspirou como sempre. Silenciosamente, ele se virou para a procissão de estudantes e começou a andar e, quando as garotas de olhos aguçados o cercaram, ele sumiu de vista.
Aquele canalha... Ele só está fazendo graça de mim... Quando ele pensou sobre isso, Yuichi era sempre desse jeito. Ele dizia o que queria dizer, fazia o que queria fazer, e então deixava Wataru todo irritado enquanto desaparecia! Ele tinha certeza que da próxima vez que ele visse Yuichi ele agiria de outra forma e confundiria ele. O que ele queria dizer com ‘bem feito’? Ele se perguntou o que Yuichi pensava do anel que tocara seus lábios. Já que parecia exatamente como o dele, ele concluiu que só poderia ser um objeto para provocar ofensa.
E já que eu sou quem o está usando... Ele realmente não queria pensar tanto assim, mas era tudo que ele podia concluir. Wataru havia dito o quanto o perturbava ter o mesmo anel, e Yuichi provavelmente sentia a mesma coisa.
“Talvez,” Karin havia dito inocentemente, “ele reeeeeealmente odeia você, Wataru?”
Ela deve estar certar, Wataru pensou, fechando sua mão ainda trêmula. Ele ficou lá, enraizado ao local.
***

5 Comentários

  1. Oi Lena! Quando você postará mais um capítulo de Addicted? Estou ansioso esperando! Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Kkkkkkkkkk eta que Wataru não aguenta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma hora ele dá um jeito de aguentar. kkkkkkkkkk

      Excluir
  3. Essa novel esta realmente boa, ansiosa para o proximo cap 💙

    ResponderExcluir