Oi pessoal!

Primeiramente, peço desculpas por não ter respondido aos comentários perguntando sobre Sotus individualmente. Respondendo: Fui informada de que alguém estava traduzindo a novel, mas foi obrigada a retirar a publicação por ordem da autora. Essa pessoa está em negociação com a autora para ter permissão de continuar a tradução e postar na internet, então vamos torcer para ela deixar. (*•̀ᴗ•́*)و ̑̑  Assim que eu souber que a pessoa tem a permissão da autora, nós pediremos permissão para traduzir para o português. =)

Hoje temos um combo de Counterattack! Yaaaay!! \^0^/  Já que os capítulos são sempre tão curtos, fica melhor assim, não é? hehehe

Vamos lá? ^^/

Lena.
ˉ̶̡̭̭ ( ´͈ ᗨ `͈ ) ˉ̶̡̭̭
_____________________________________________


Cap. 75: Encontrando um problema.




Depois de terminar o trabalho na casa de cobras, já eram dez horas da noite. Wu Suowei vagou pelas ruas sozinho e, enquanto ele fazia isso, ele lembrou de um caso de cogumelos Lingzhi selvagens, lembrou de uma geladeira cheia de figuras de açúcar, lembrou de ‘Eu só fui ao supermercado três vezes’. Pensamentos demais, memórias demais, eles estavam ficando mais e mais entrelaçados.
Porém o problema mais sério confrontando Wu Suowei era se ele queria continuar com isso.
E se quisesse, se ele colocava todas as cartas na mesa para ele.
Dois pés andaram involuntariamente na direção da residência de Chi Cheng.
De pé na frente da porta, Wu Suowei pensou: Para o conforto de Xiao Cu Bao, Chi Cheng aceita viver nesta cesta de vapor. E mais, ele perdeu tantos outros bebês cobras, o coração dele deve estar realmente angustiado, ah.
Antes de entrar, ele rapidamente inalou uma boa quantidade de ar fresco e frio.
No entanto, quando ele entrou, ele não foi recebido com uma onda de calor, mas sim pelo menor dos arrepios junto com o denso aroma de licor.
O quarto estava uma bagunça. Os lençóis estavam todos embolados e caindo da cama. Distintas manchas de sangue e marcas úmidas de sêmen os cobriam. Xiao Cu Bao estava dentro de uma caixa de vidro, enrolado de mau-humor. Estava claro que esse lugar, muito recentemente, havia experimentado um ataque de sexo intenso e erótico. Wu Suowei não sabia se a pessoa era Yue Yue, mas ele sabia que a pessoa não era ele.
Chi Cheng estava no banheiro lavando o rosto.
“Eu vim numa hora inconveniente?” Wu Suowei se encostou na moldura da porta inspecionando Chi Cheng.
Chi Cheng não falou. Suas costas largas estavam envoltas numa aura escura e fria.
“Você já terminou aqui, ou eu deveria ir embora?”
Wu Suowei falou essas palavras sem saber de seu próprio estado mental.
Esfregando seu rosto ferozmente, Chi Cheng se virou para olhar para ele, duas sobrancelhas como espadas úmidas com gotas d’água, pupilas radiando escuridão, olhos vermelhos, lábios firmemente fechados, seu rosto inteiro com uma expressão de severa irritação.
Depois de examinar Wu Suowei por um longo tempo, Chi Cheng abriu a boca de maneira tediosa.
“Vá, okay.”
Wu Suowei estava determinado, de repente dominado pela urgência de provocar Chi Cheng.
“Eu vou lhe dizer, na verdade, eu vim aqui hoje—”
“Eu não tenho tempo para ouvir os seus zumbidos,” Chi Cheng rosnou de repente, cortando Wu Suowei abruptamente. “Eu não estou feliz. Eu lhe aconselho a sair da porta e ir embora rapidamente se você quiser evitar sofrimento.”
Wu Suowei, sem saber de onde veio sua coragem, sentou sua bunda no braço de uma cadeira.
“Hoje eu não vou. Eu gostaria de ver o que você consegue fazer para me torturar.”
Lençóis sujos de sangue atingiram o chão perto dos pés de Wu Suowei.
“Eu já estourei três virgens. Eu tive que ligar para o 120 [N/T: serviço de emergência (ambulância) da China] para duas delas.” A voz estava monótona.
Os tendões no pescoço de Wu Suowei se retorceram e suas pupilas saltaram enquanto seu punho bateu no braço da cadeira.
“Então me come, contanto que você reembolse as despesas médicas.”
As palavras atrevidas de Wu Suowei assustaram Xiao Cu Bao que olhou para ele com olhos que diziam “você é muito ousado”.
Na verdade, Wu Suowei se arrependeu logo depois de falar aquilo.
Transbordando de animosidade, Chi Cheng andou até Wu Suowei. De passagem, suas mãos grandes agarraram com firmeza a gola de Wu Suowei, levantaram-no no ar e o jogaram na cama. Com um bang, a cabeçona de ferro de Wu Suowei bateu na grade da cama, talvez por causa do grande impulso. Um zumbido reverberou pelo seu crânio enquanto a testa que sempre foi insensível à dor agora aprendeu o que significava estar em agonia.
“Filho da puta!” Wu Suowei agarrou tua testa uivando de dor. “Se não fosse por você passando pomada na minha testa cegamente o dia inteiro, minha testa não doeria assim. Você destruiu meu único talento.”
Chi Cheng estava prestes a arrancar as roupas de Wu Suowei, mas parou quando ouviu aquelas palavras.
“Se você não pode evitar de machucar minha testa, se você vai descontar na minha testa, então não perca seu tempo esfregando remédio em mim quando eu nunca pedi por isso para começo de conversa. E você não tinha absolutamente direito nenhum de me criticar por usá-la como uma arma.” Com queixas indescritíveis explodindo de seu peito, Wu Suowei rugiu vulgarmente, “No meu corpo inteiro, de cima a baixo, só tem um lugar que é duro e você conseguiu deixa-lo suave. Eu perdi minha noção de segurança por culpa sua, seu filho da puta Chi Cheng. Vai se foder, seu metido egocêntrico.”
Slam bang.
A testa dele bateu ferozmente nas costelas de Chi Cheng.
*****

      Realmente admiro a coragem do Wu Suowei. O Chi Cheng, muitas vezes, dá medo. ( ⚆ _ ⚆ )

5 Comentários

  1. Ele da medo mesmo kkkkkk. Mas gostamos disso.

    ResponderExcluir
  2. Kkkkkkkk nem na boca da fera ele para de reclamar. Ele é muito doido. Eita que CC ta estranho, pq será? Obrigada pelo capítulo. 😘

    ResponderExcluir
  3. Gente, eu entendo completamente o ciúme do Wu. Como esse cara demonstra estar apaixonado e sai fodendo por aí. Eu Suowei, namore com aquele médico perfeito e esqueça esse embuste.

    ResponderExcluir