Continuando...


Mais um R18. Eu não lembro de ter tantas cenas de sexo quando eu li isso, mas que bom que tem hahahahaha!
Zöish.
____________________________________________________


Capítulo 15: Eu sou a empregada de An Ziyan. [+18]

Tradução/Inglês: Adrian Julian
Tradução: Geovanna Zöish
Revisão: Lena

Mai Ding ficou satisfeito ao saber que An Ziyan o ama. Foi só mais tarde que Mai Ding descobriu que Bai Xiaosi havia lhe enganado. Mas o que Bai Xiaosi não esperava era que An Ziyan faria tudo para apaziguar Mai Ding, e fazê-lo tão facilmente.
Mai Ding sentiu agora que An Ziyan era um pouco maldoso demais para confortar. E o mesmo valia para a ex-namorada dele. Mas pensando além, como namorado de um homem maldoso... Quão bom ele também pode ser?
Era sábado. Para Mai Ding, era um dia de sofrimento porque ele tinha tarefas domésticas para executar. Ele se odiava por pensar em tal condição. Que bem lhe fez? Uma bela manhã de sábado agora estava arruinada por um momento de imprudência.
Quando chegou à casa de An Ziyan, ele tirou o conjunto de chaves que lhe foram dadas. Ao entrar, ele percebeu que toda a casa estava em silêncio. Ninguém estava na sala de estar. An Ziyan estava em casa? Silenciosamente, ele se arrastou para quarto dele e lá ele descobriu que seu garoto estava na verdade no chuveiro.
“Estou aqui!” Gritou para o banheiro.
“Mmm.”
Mai Ding enrolou as mangas e abriu as janelas do quarto para permitir que a luz do sol entrasse. Imediatamente, trouxe uma sensação de calor para o quarto. Ele começou seu trabalho mudando os lençóis de cama de An Ziyan e, enquanto fazia isso, gritou: "Enquanto eu estava no meu caminho para cá, passei por uma loja de aluguel de DVD e aluguei alguns DVDs e comprei alguns lanches. Hoje podemos assistir a alguns desses filmes.”
AnZiyan não respondeu, mas Mai Ding tinha certeza de que o ouvira.
Depois de colocar os lençóis e as roupas dele na máquina de lavar roupa, ele pegou o pão e o leite que tinha preparado e trouxe para dentro do quarto, e apoiado na parede do lado de fora do banheiro, disse: “An Ziyan, você é como eu também? Você também não tem muitos amigos? Não vejo rastro de ninguém em sua casa. Mas a julgar pela sua personalidade ruim, acho que é normal. Quanto a mim... O que há para não amar sobre mim? Mesmo assim, ninguém quer ser meu amigo e aqueles que querem, acabam me intimidando...” Houve uma pequena pausa. “Sim, até você me intimida, mas sei que você é diferente. Quem disse que Deus era justo? Eu não estaria neste estado lamentável se fosse verdade.” [Lena: -_-”]
Sempre que Mai Ding estava sozinho com An Ziyan, ele não podia deixar de compartilhar o que pesava em sua mente, o que estava assentado pesadamente em seu coração. É verdade. Desde que Mai Ding era uma criança, ele sempre teve inveja daqueles que o rodeavam e que tinham a companhia de muitos amigos. Com vinte anos de idade, ele podia contar o número de amigos que tinha com uma só mão.
A porta do banheiro abriu e An Ziyan agarrou Mai Ding e o puxou para dentro.
“Você não precisa de mais ninguém. Você tem a mim.”
Mai Ding sorriu quando viu An Ziyan. Talvez Deus fosse de fato justo comigo, pensou. É por isso que ele o deu para mim, este mero mortal.
AnZiyan aproveitou a oportunidade para arrastá-lo para debaixo d’água. “O que você está fazendo? Estou ficando todo molhado!”
“Vamos tomar um banho juntos.”
“Quem quer tomar um banho com você? Por que você está me tocando aí? Está de dia. O que a sua mente suja está pensando agora?” Mai Ding era, com certeza, um firme crente de que essas coisas que An Ziyan tinha em mente só devem ser feitas à noite.
“Ah, mas você não disse que agora eu posso fazer isso a hora que quiser?” E com isso, ele rasgou a roupa de Mai Ding, sem sequer esperar que ele respondesse. Ele o beijou apaixonadamente e, embora Mai Ding não estava respondendo verbalmente, seu corpo estava. Ele estava tremendo de prazer absoluto e não estava colocando nenhuma forma de resistência. An Ziyan tinha um jeito com seu corpo que ninguém mais tinha. Em resposta, ele enganchou os braços ao redor do pescoço de An Ziyan, enquanto An Ziyan usava seus dedos para acariciar o rosto dele, então seu peito, seus dedos lentamente movendo para baixo.
Mai Ding sentiu-se realmente próximo de An Ziyan. Para ele, já faziam séculos que eles estiveram tão próximos. E cada vez, para Mai Ding, o sentimento era diferente, era especial.
Ele abraçou An Ziyan mais perto de si, como se temesse perder seu tesouro.
Em seguida, An Ziyan usou sua língua para lamber seus mamilos. “Ah... ah...”
Mai Ding foi dominado pelo prazer enquanto ele gemia suavemente, suas mãos agarrando a parede para apoio. An Ziyan então moveu habilmente sua mão em torno da coxa interna de Mai Ding, fazendo Mai Ding tencionar um pouco. Ele não podia mais evitar. “Ah! An Ziyan, isso é realmente tão gostoso. Sua mão... Ah... Não pare.” Mai Ding não podia acreditar que ele diria tais coisas. Mas a razão o havia abandonado enquanto ele estava no meio da paixão.
“Entre em mim agora. Eu quero sentir você dentro de mim.”
An Ziyan também não conseguia mais se controlar. Segurando as costas de Mai Ding, ele lentamente inseriu seu membro em Mai Ding. “É doloroso?”
Mai Ding sacudiu a cabeça. Ele estava se sentindo muito extasiado, muito feliz para sentir qualquer dor agora. Ele só podia sentir o calor de seu garoto dentro dele. Lambendo os lábios, ele gemeu: “Ah... eu não acho que vou durar muito mais tempo.”
Foi o mesmo para An Ziyan e em um grito grosso e profundo, ambos chegaram ao ponto limite juntos, o amor deles florescendo ainda mais.
Mai Ding estava mais uma vez nas roupas de An Ziyan. Ele não esperava precisar de uma troca de roupa hoje.
“O que você quer comer para o almoço?” Perguntou Mai Ding.
“Qualquer coisa.”
Mai Ding sabia que ele não iria obter uma resposta direta de qualquer maneira.
“Eu passei por um mercado no caminho para cá. Talvez pudéssemos ir lá para comprar algumas coisas e eu poderia preparar alguma coisa para o almoço.
“Vá em frente.”
“O que você quer dizer com isso? Você não vai comigo?”
“Não.”
“Venha comigo, por favor... Não me sentirei seguro sem você.” [Zöish: Mai Ding, toma vergonha nessa cara e vira homem! / Lena: err... De novo: -_-”]
“Quão perigoso pode ser ir a um mercado?”
“Então...” Começou Mai Ding. “Depois de fazer aquilo você está de volta ao seu antigo eu indiferente.”
“Pare de ser birrento, pode ser?” Era uma de suas respostas padrão e, depois de dizer isso, ele caminhou para a sala de estar para assistir TV. Mai Ding o seguiu e, embora a TV tivesse acabado de ser ligada, ele desligou a TV.
“Você acredita que eu vou...”
“O que?”
“Vou te matar e te mandar para o inferno.” An Ziyan parecia que não estava brincando. Seu olhar foi capaz de enviar calafrios coluna abaixo de Mai Ding.
Só então, o telefone que foi deixado lá em cima começou a tocar. An Ziyan acenou para Mai Ding. “Vá e atenda à chamada para mim.”
Mai Ding estava irritado, mas mesmo assim ele subiu as escadas para pegar o telefone. Mas antes que ele pudesse dizer alguma coisa, uma mulher de meia-idade do outro lado começou, “Ziyan, você está em casa? Sua mãe me pediu para levar algumas coisas para você. Estou indo para sua casa. Deixe-me deixar essas coisas aí. Estou chegando em breve e não posso ficar muito tempo. Eu tenho que ir ao hospital para deixar o médico checar o bebê.”
“Err... Mas...” Mas aquela senhora já tinha desligado.
“Era a sua tia, a que está grávida. Ela disse que sua mãe pediu para ela deixar algo aqui. Ela vai chegar muito em breve.”
“Mmm.” An Ziyan confirmou.
Ao descer as escadas, Mai Ding continuou: “Nesse caso, é melhor eu ir ao mercado agora. É melhor assim, para que ela não me veja.”
“O que há para se esconder?” Era óbvio que An Ziyan tinha ficado no exterior por algum tempo. A maneira que ele pensava era inteiramente diferente de como pensa Mai Ding. Para An Ziyan, não havia nada sobre o relacionamento que precisa ser escondido. Se as pessoas poderem aceitá-lo, elas vão. Se elas não podem, então elas devem apenas se danar.
“Seu garoto estúpido. Não vou encontrá-la porque não quero que ela descubra sobre nós. O que ela pensaria? Você sabe, as pessoas dessa geração são um pouco mais conservadoras.”
“E você é o senhor liberal?” An Ziyan retrucou, sabendo como Mai Ding não tinha o direito de dizer aquilo.
Enquanto os dois meninos brigavam, a campainha tocou. Mai Ding entrou em pânico e quis se esconder, mas An Ziyan ordenou que ele abrisse a porta.
Mai Ding não tinha escolha senão fazê-lo e quando ele abriu a porta, era de fato uma senhora de meia-idade que tinha uma barriga grande. A mulher pareceu um pouco assustada quando viu Mai Ding.
“Quem é você?” ela perguntou.
“Ele é meu...”
“Er. Empregado! Sou o empregado de An Ziyan. É isso.” An Ziyan revirou os olhos.
“Oh!” Sua tia respondeu.
Mai Ding foi extraordinariamente educado. Ele pensou que era um parente de An Ziyan, afinal. Era importante garantir que ele pudesse agradar um parente. Então, ele deu a ela seu maior sorriso de Cheshire [1] e para sua barriga perguntou: “Qual é o tamanho do bebê?” Seu rosto estava apenas exalando doçura e bondade.
[N/T1: Cheshire é um condado da Inglaterra e seu significado corresponde a expressão inglesa para uma pessoa que vive sorrindo ou ri muito. Cheshire também é o nome do gato da Alice no País das Maravilhas, o Gato Careteiro.]
No entanto, o rosto da tia de An Ziyan escureceu.
“Idiota.”  An Ziyan amaldiçoou suavemente.
Mai Ding obviamente não sabia o que estava acontecendo. Mas depois de um tempo, ele finalmente descobriu. Por trás daquela tia apareceu outra senhora de meia-idade e desta vez, a senhora estava obviamente grávida. Ela estava vestindo roupas largas e sua mão estava segurando sua barriga.
“Ziyan.” Ela começou. “Sua mãe me pediu para deixar isso. Eu não vou ficar. A tia Yun se ofereceu gentilmente para me acompanhar ao hospital para checar o bebê.”
An Ziyan passou por um amedrontado Mai Ding para receber as coisas que sua tia tinha trazido. “Por favor, tenha cuidado no longo do caminho.” Ele docemente lembrou sua tia.
“Bem. Estamos a caminho, então.”
Tia Yun lançou um olhar assassino a Mai Ding como se quisesse esfolá-lo vivo.
“Ziyan.” Ela começou. “Tais empregados devem ser realmente baratos. Mas você não pode ser mesquinho quando se trata de boa ajuda nos dias de hoje. Se você pagar amendoins, você terá macacos. Se você realmente precisa de uma empregada doméstica, deixe-me encontrar uma melhor para você.”
“Tia Yun, aprecio muito a sua oferta. Tia Hong está esperando por você lá fora, por que você não vai primeiro? Podemos conversar sobre isso na próxima vez.” E então, apontando para Mai Ding. “Além disso, com relação a esse cara, você não pode devolver os produtos que já usou.”
Tia Yun obviamente não entendeu. Em vez disso, ela encarou Mai Ding novamente quando ela saiu.
Tia Yun era apenas uma senhora que estava um pouco acima do peso e definitivamente não estava grávida. Seu olhar estava para sempre gravado na mente de Mai Ding.
Quando as senhoras finalmente foram embora, An Ziyan não pôde deixar de rir. Foi a vez de Mai Ding olhar para alguém. “Sim, vá em frente e ria, ria, ria. Ria até morrer, por favor. Eu vou sair também; Não me bloqueie.”
*****

4 Comentários

  1. Kkkkkk bem dizem que os oposto se atraem pq os dois sao completamente diferente um do outro, tadinho do MD.

    ResponderExcluir
  2. o AZ esta com um fogo no MD tadinho todo inocente mais quando é agarrado não consegue resistir ao boy gostoso que é só dele ahe menino sortudo

    ResponderExcluir
  3. Q vacilo do MD c a titia kkkkkkk esses dois são realmente a prova de q os opostos se atraem, amo 😁😁😁 obg meninas!!!

    ResponderExcluir