Continuando...

An Ziyan (Kong Chui Nan 孔垂)
____________________________________________________


Capítulo 2: Podemos ser amigos?

Tradução/Inglês: Miah
Tradução: Zöish
Revisão: Lena.


Já que o tom dos dois se tornou mais baixo, então era quase impossível ouvir sua conversa do quarto. Quando Li Ming perguntou ansiosamente para Mai Ding a resposta para sua pergunta, Mai Ding foi muito confiante e insistente em sua resposta de que An Ziyan não gostava de caras.
Ele sentiu que ao fazer isso, ele estava ajudando An Ziyan a manter este segredo. Mas ninguém sabia se Mai Ding tinha motivos pessoais por trás disso ou não.
Ele também queria ser amigo de An Ziyan porque a vida de Mai Ding sempre foi nada além de normal. Até mesmo os amigos ao seu redor eram comuns e particularmente nada notáveis. Então desta vez, além de saber que An Ziyan era bissexual, ele também queria encontrar algum divertimento em sua vida. De modo que, mais tarde, quando tivesse muitos netos, poderia orgulhosamente dizer-lhes que, uma vez, o vovô costumava ter um amigo bissexual.
Embora não fosse certeza se Mai Ding poderia esperar até o dia em que ele estaria cheio de netos ou não.
Durante a noite, depois de tomar um banho, Mai Ding penteava seus cabelos vaporizados, enquanto saia de seu quarto e batia na porta 501.
Depois de bater por um tempo longo pra cacete, An Ziyan, então, abriu a porta indispostamente para encontrar Mai Ding dando um sorriso brilhante, dizendo: "Colega de classe, pode me emprestar seu secador de cabelo?"
"Não tenho." A porta foi fechada com uma batida.
Mai Ding sempre soube que An Ziyan era uma pessoa fria, mas ele não esperava que An Ziyan fosse tão frio já que seu sorriso nem sequer teve algum efeito.
No segundo dia, Mai Ding bateu na porta do quarto de An Ziyan exatamente no mesmo horário.
"Colega de classe, posso emprestar seu banheiro? O meu ficou sem água."
“Não tenho.”
No terceiro dia, Mai Ding continuou sendo descarado.
"Colega de classe, posso usar seu banheiro, eu não posso mais me segurar e o meu quarto está ocupado agora."
“Não."
No quarto dia, Mai Ding já havia desistido.
"Colega de classe, você pode me emprestar um pouco de amor?"
“Não tenho.”
Justo quando An Ziyan estava prestes a fechar a porta, Mai Ding colocou a mão na abertura da porta: "An Ziyan, você sabe quão excessivo você é? Como você pode tratar o seu irmãozinho vizinho fofo e amigável assim? Se você tiver coragem, então feche a porta e esmague meus dedos.”
Mai Ding pensou que An Ziyan não se atreveria a fechar a porta, ao mesmo tempo, An Tiyan assumiu que Mai Ding definitivamente tiraria a mão, então ele fechou a porta.
Depois disso, veio o grito de dor de Mai Ding quando a porta bateu e voltou. A mão de Mai Ding estava com tão dolorida que ele poderia sair pulando, soprando a mão continuamente enquanto exibia uma expressão feroz. Ele nem sequer teve tempo de repreender alguém, pois só podia exclamar a palavra ‘dói’ sem parar. Sua mão começou a inchar e ficar vermelha. An Ziyan franziu a testa e puxou Mai Ding para dentro do quarto.
"Quem te disse para colocar a mão lá!" Pelo seu tom, simplesmente não havia sinal de remorso.
A mão de Mai Ding estava tremendo de dor, ele já estava pensando se sua mão estava quebrada. Ele olhou para cima, seus olhos estavam cheios de lágrimas quando ele olhou para An Ziyan miseravelmente: "Rápido, há um tubo de pomada da minha mãe no quarto, por favor, pega para mim."
"Tão problemático."
Mesmo An Ziyan dizendo isso, ele ainda saiu de seu quarto para ir a porta ao lado. Li Ming, que estava jogando pelo computador naquele momento, ficou surpreso ao ver o estado de An Ziyan e, depois de vê-lo agressivamente fazer uma confusão na cama de Mai Ding como se fosse um ninho de cachorro, ele finalmente soltou uma fala macia perguntando: “Com licença, o que você está procurando?"
“Medicamento em creme.”
An Ziyan, eventualmente, encontrou no canto da cama dentro de uma bolsa. Ele pegou e rapidamente saiu andando.
Creme? Li Ming estava cheio de curiosidade, esperou que An Ziyan saísse do quarto antes de enfiar as orelhas na porta do quarto 501.
De dentro veio a voz de Mai Ding: "Você está ficando neste quarto sozinho?" Ele olhou ao redor e descobriu que havia apenas uma cama, e mais, a cama de An Ziyan ficava bem ao lado da de Mai Ding. Em outras palavras, sem a parede, Mai Ding estava literalmente dormindo ao lado de An Ziyan.
An Ziyan não respondeu quando abriu o tubo de creme. Mai Ding queria pegar de volta o tubo: "Deixa que eu mesmo faço."
“Abra sua mão.” An Ziyan esfregou o creme na mão de Mai Ding grosseiramente, suas ações não estavam nem perto de ser gentil.
"Aiii, o que tem de errado com você? Será que vai matá-lo ser um pouco mais gentil?"
"Seja gentil, dói muito no meio."
"Você sabe mesmo como usar isso?"
“Ai, ai, ai, fique longe! Eu não aguento mais. Já inchou desse jeito, ainda assim você continua sendo tão duro”. Mai Ding estava extremamente descontente com a maneira como An Ziyan o ajudou a aplicar o remédio em seu dedo inchado.
"Fala baixo, tão escandaloso."
Li Ming só podia ouvir o que eles falavam, só que não podia ver o que eles estavam fazendo. Mas sua imaginação estava correndo tão solta que ele sentiu que seu nariz iria sangrar. Então ele rapidamente voltou para o quarto. Pouco tempo depois, Mai Ding também voltou furioso, Li Ming observou Mai Ding: “Tão rápido?”
“O que você quer dizer tão rápido? Eu senti como se fosse morrer com essa dor.”
“A primeira vez vai sempre ser dolorosa.” Li Ming continuou a jogar no computador.
Mai Ding sentiu que as palavras de Li Ming estavam ficando mais inadequadas conforme ele pensava mais sobre isso, mas ele não queria pensar muito. Vendo a bagunça que An Ziyan tinha feito em sua cama, ele ficou tão bravo que seu corpo todo tremia.
De noite, Mai Ding não conseguia dormir por conta da dor em seu dedo. Ele olhou para a parede e grudou a orelha na parede para ouvir se havia alguma comoção do outro lado. Mas ele não pôde ouvir nada.
“Ei, An Zian. Você pode me ouvir falar?” Mai Ding sussurrou para a parede.
“Olá?” Esta parede não era tão grossa, então ele deveria ser capaz de ouvi-lo. Ou pelo menos foi o que Mai Ding pensou.
Depois de um longo tempo, An Ziyan do outro lado não teve qualquer reação, mas Li Ming, de repente, falou: “Olá, minha bunda. Você vai deixar as outras pessoas dormirem ou não?"
Mai Ding então ficou quieto e se manteve junto a parede até cair no sono.
Mesmo que An Ziyan estivesse distante de Mai Ding, mesmo que An Ziyan tivesse ignorado Mai Ding fora da porta inúmeras vezes, mesmo que An Ziyan quase tenha quebrado o dedo de Mai Ding, mesmo que An Ziyan tivesse transformado a cama de Mai Ding em uma completa bagunça, mesmo assim, Mai Ding ainda não conseguia ficar zangado com ele.
Porque amigos devem tolerar uns aos outros assim.
Mai Ding era considerado muito azarado porque se encontrou com a distribuição de livros depois que machucou sua mão. Nesse momento, havia uma pilha enorme de livros na frente de Mai Ding. Ele carregou os livros, mas sua mão direita era incapaz de invocar qualquer força para que ele só pudesse usar o braço direito para levar os livros para fora. Do lado de fora, as pessoas entravam e saíam, de modo que, ter que evitá-las enfraqueceu muito o braço de Mai Ding. Ele teve que lutar para chegar à escada, mas foi então que os dois livros de cima, de repente caíram.
Do nada, uma mão se estendeu para pegar esses dois livros, Mai Ding deu um olhar de pura gratidão. Quando olhou para cima e viu o rosto frio de An Ziyan, sentiu-se ainda mais agradecido.
"Ah, Obrigado ah. Você pode levá-los só até a porta do meu quarto." Mai Ding rapidamente agradeceu.
An Ziyan largou aqueles dois livros de volta no topo da pilha no peito Mai Ding: "Eu nunca disse que iria ajudá-lo.”
"Tecnicamente, foi você quem quebrou minha mão, vai lhe matar me ajudar um pouco?" Mai Ding deu um olhar de assassino para An Ziyan. Se não fosse pelo fato de você ser bissexual, você acha que eu gostaria de ser amigo de um tipo de monstro como você?
"Chorão, eu não já passei o remédio em você?"
Mai Ding estava andando na frente enquanto An Ziyan o seguia. Mai Ding continuou andando e se virando para olhar para An Ziyan: "Você ainda se atreve a dizer isso, como é que isso é considerado passar remédio? Você aplicou o medicamento com tanta força que a minha mão não estava tão grave inicialmente, mas agora ela inchou como um pão."
An Ziyan não disse nada, só passou por Mai Ding rapidamente.
Mai Ding olhou para a figura de An Ziyan, que se afastava. Um dia, vou fazer você caminhar comigo por vontade própria.
*****

5 Comentários