Oi povo lindo!!!! *O*/

Hoje nós vamos de Sonoyubi porque não pude preparar nenhuma tradução para hoje. hehehe Se acalmem, por favor. Estou preparando uma surpresinha muito amor pra vocês. Tenho certeza que vão amar! (♥ω♥ ) ~♪ Mas tenham paciência, pequenos gafanhotos, ainda não tem data certa para a entrega da surpresa. >w< hehe

Esta é a última parte do primeiro volume - Correção: Esse é o fim da primeira parte do primeiro volume... Ficou confuso, né? XD Vou explicar: Sonoyubi é uma série de 5 volumes. Cada volume é dividido em duas partes (dois capítulos?) e hoje nós terminamos a primeira parte do primeiro volume. hehehe Wataru e Yuichi finalmente vão se entender. (*•̀ᴗ•́*)و ̑̑

Hmm... Acho que preciso mudar a forma que estou dividindo essa novel. hahahaha (como, eu ainda não sei XD) Então, é isso aí. Divirtam-se com a leitura. ^u^/

Beijos~         
Lena.

________________________________________________________


Só o dedo anelar sabe

O dedo anelar solitário pt. 4 



“Wataru Fujii está aqui?” Yuichi gritou logo que abriu a porta e invadiu a sala de aula. Com um clima bem estranho, até as garotas da classe, que geralmente iriam vibrar, ficaram em silencio como se tivessem perdido a coragem. Os olhos aguçados de Yuichi rápido encontraram Wataru parado e conversando à janela e, ignorando todos os olhares sobre ele, Yuichi agarrou os dois braços de Wataru. Pego de surpresa pelo acontecimento inesperado, levou um tempo para Wataru perceber que era Yuichi.
“Ei! Se você está aqui, pelo menos responda!”
“O-o que tá acontecendo?! Me solta!”
“Desculpa, mas eu não posso fazer isso,” Yuichi retorquiu, arrastando Wataru pelo braço enquanto ele saia. A aula de uma hora estava prestes a começar, e Wataru se perguntou aonde ele poderia o estar levando. Julgando pelo tom dele, Wataru imaginou o pior. Ele nunca tinha visto Yuichi se comportar tão rudemente, e seus próprios protestos eram bem fracos.
“O que você pensa que está fazendo?! Ei, Kazuki...!”
“Eu quero uma palavra com você. Cale a boca e me siga.”
“Isso é tão injusto...!”
“Eu estou puto,” Yuichi parou por um momento e olhou para Wataru friamente. “Então eu vou adiantar pra você. Talvez eu faça algo horrível pra você.”
“Quê?!”
“É só o calor do momento.” Talvez fosse estranho o quanto o rosto de Wataru ficou completamente pálido, mas Yuichi estreitou levemente seus olhos. E com isso, Wataru foi arrastado por Yuichi na frente de todos os seus colegas de classe.
“Qual é, sério, aonde estamos indo?”
“.....”
Não importava quantas vezes ele perguntasse, Yuichi não iria dizer aonde eles estavam indo, então no fim Wataru desistiu e se deixou ser levado. No caminho deles o primeiro sinal tocou, mas é claro que Yuichi não pareceu se importar enquanto eles desciam apressados as escadas do terceiro para o primeiro andar. As únicas salas naquele andar eram a enfermaria, a sala de artes, salas especiais e a sala de exibições – lugares onde dificilmente algum estudante ia durante o dia. Yuichi parecia se dirigir a uma dessas salas enquanto fazia seu caminho pelo corredor sem hesitar.
O que está acontecendo...? Essa manhã, Wataru nunca teria sonhado que ele seria forçado a perder aula e arrastado para uma sala deserta. Na verdade, nos três dias desde o fim de semana que ele tinha visto Yuichi com Toko, Wataru havia dificilmente visto o rosto de Yuichi. Olhar para ele mesmo agora era doloroso, e Yuichi ainda estava usando orgulhosamente o anel em seu dedo.
“Entra.” Yuichi tinha aberto a porta da sala do conselho estudantil e apressou Wataru na frente dele.
Os braços de Wataru, agora soltos, ainda doíam onde tinham marcas do aperto. “Você está no conselho estudantil...?”
“Não. Porque eu me importaria com esse tipo de trabalho extra? O presidente é um amigo meu. Ele me deixa ter uma chave extra.”
“Eu me lembro da história agora. Você ganhou a maioria dos votos mas foram todos considerados inválidos.”
“É claro. Como eu poderia ganhar se não estava nem concorrendo? ... Sente-se.”
Wataru nunca havia estado na sala do conselho estudantil, mas Yuichi parecia em casa enquanto trazia uma das cadeiras tubulares. Ali deveria ser onde ele vinha quando ele decidia não ir a aula. Dentro da sala desolada havia uma grande mesa quadrada de conferencia com cadeiras tubulares, e nas paredes havia apenas prateleiras de aço. Por alguma razão, Wataru não conseguia relaxar.
“Então... O que você queria dizer?” Wataru mudou seu peso timidamente enquanto ele sentava na cadeira oferecida a ele.
Yuichi apoiou sua mão na costa e se inclinou para sussurrar, “Não se faça de bobo. Você sabe sobre o que é isso, não sabe?”
“Huh?”
“Então me diga... Quando exatamente eu comecei a namorar sua irmã?”
“Oh... I-isso...” Wataru, com seu coração partido, tinha esquecido completamente sobre o boato que ainda estava forte na escola. Parecia finalmente ter chegado no próprio Yuichi.
“Por causa daquilo, eu tive o pior aniversário de todos. Muito obrigado – eu lhe devo uma.”
“O pior...? Hum, aconteceu alguma coisa?”
“Não é da sua conta. Mas alguém disse que perguntaram para o irmão dela, Fujii do segundo ano, se era verdade e ele não negou.”
“.....”
“Você espalhou esse boato, não foi?” Yuichi suspirou pesadamente e então ele colocou o queixo abaixado de Wataru entre seus dedos e o levantou em sua direção. “Por que o rosto tão obscuro? Sou eu quem deveria estar deprimido. É ruim o suficiente a confusão que todos fazem, mas agora que você colocou lenha na fogueira, eu não aguento mais.”
“Me desculpa.” Incapaz de afastar os dedos dele, Wataru tentou desesperadamente não olhar para Yuichi. Mas ao invés disso, Yuichi não satisfeito, se aproximou ainda mais e olhou nos olhos de Wataru.
“Por que você não disso a verdade quando eles lhe perguntaram? Você realmente quer tanto que eu e sua irmã fiquemos juntos?”
“Mas... Você foi vê-la, não foi?”
“O que?”
“Karin me disse tudo. Você foi na escola dela, Kazuki. Você até perdeu o quarto período para ir... O que você estava pensando?”
“O que você quer dizer?”
“O que aconteceu no seu aniversário? Isso tem alguma coisa a ver com o boato? Se tem, então eu...”
“Wataru, seu cérebro deve estar realmente fraco. Quantas vezes eu preciso lhe dizer? Não teve nada a ver com você,” Yuichi disse com uma voz fria enquanto agarrava a pequena cabeça de Wataru com seus longos dedos. Wataru talvez tenha se acostumado com um tratamento tão rude, mas isso o deixou com raiva.
“Já chega! Me solta! Eu disse, me solta! Idiota! Pervertido! Esquisito!”
“Bem, você parece animado o suficiente.”
“Corta essa! Eu não tenho tempo pra discutir com você! Eu não tive nada além de má sorte desde que eu troquei de anel com você! Vai pro inferno!”
“Você realmente diria isso?”
Wataru sabia que ele parecia uma criancinha, mas parecia ter tido algum efeito. De fato, parecia que o abuso dele parecia ser, de alguma forma, refrescante para Yuichi, que geralmente não ouvia tais investidas de outras pessoas.
Finalmente livre do aperto de Yuichi, Wataru fez a mesma pergunta de novo enquanto fazia seu melhor para ajeitar seu cabelo desarrumado, “O que aconteceu no seu aniversário?”
Já que ele o havia visto parecendo tão feliz no parque com aquela garota mais velha, ele não deixaria ele fugir dizendo que tinha tido um mau momento. Insinuando no significado, Wataru lentamente se levantou da cadeira. “Você me arrastou até aqui só para reclamar do seu aniversário?! O que você é, uma criancinha? Para de se agarrar nisso!”
“É você quem está agindo como uma criancinha, Wataru.”
“Uh...”
“Deixa isso pra lá, responda minha pergunta. Porque você espalhou aquele boato?”
“Eu disse... Aquilo foi...” Olhando um ao outro de frente, a diferença entre suas alturas era de pelo menos dez centímetros. Olhando para ele do alto, perto o suficiente para sentir sua respiração e ainda incapaz de cortar o olhar dele, não importava o quanto Wataru se esforçasse para se manter firme, aquilo ainda era doloroso. “...porque as pessoas entenderam mal.”
“Huh?”
“Histórias sobre nós termos o mesmo anel, e sobre eu lhe levar um presente. Eu estava cansado das pessoas falando coisas idiotas daquele jeito! Mas se a estória de você ter uma namorada se espalhasse, então ninguém se importaria com boatos sobre mim, um cara. De qualquer jeito... nada disso importa agora.”
“Não importa... o que você quer dizer?”
“Eu me livrei do anel. Joguei fora. Então agora eu não preciso mais me preocupar com nenhuma fofoca, e eu não tenho que me apoiar em nenhum boato para me ajudar também.”
“Você jogou fora?” Yuichi engasgou, estupefato, e arregalou seus olhos como se não pudesse acreditar no que acabara de ouvir. Toda expressão desapareceu de seus traços clássicos. “Você jogou... O que você está dizendo...?”
“É verdade. Então, de agora em diante, Kazuki, você não precisa mais ficar irritado. Feliz agora? É o precioso anel que você ganhou da sua namorada, certo? Tenho certeza que realmente lhe incomodava que era o mesmo design que o meu.”
“Wataru...”
“Tudo bem. Quero dizer, o meu era uma coisa que eu comprei por acaso. Mas Kazuki, o seu é diferente. Seria realmente ruim se você perdesse o seu, já que é um anel especial. Você não está feliz? Agora que meu anel se foi, esse é só seu.” Enquanto ele estava falando, a imagem do quanto Yuichi e aquela menina pareciam felizes veio a memória, e até Wataru se sentiu cada vez menos certo do que tentava falar.
O que Wataru sabia era que estava apaixonado por Yuichi. Vê-los se afastar aquele dia no parque o fez finalmente perceber isso. Le sentia que era patético que ele precisou de um coração partido para admitir isso, mas aquela era a primeira vez que Wataru realmente se apaixonava.
“Me deixe ver sua mão,” Yuichi falou depois de um longo silêncio. “Wataru, sua mão direita, deixe-me vê-la!”
“Não.”
“Me mostre!” Quando ele grosseiramente agarrou sua mão, Wataru instintivamente olhou para outro lado. Ele estava com medo de ver como o rosto de Yuichi pareceria quando visse seu dedo nu.
“Eu não acredito nisso...” As palavras atordoadas caíram dos lábios de Yuichi. Ainda segurando a mão de Wataru, os olhos dele estavam fixos tão diretamente no dedo médio vazio de Wataru que quase doía.
Enquanto Wataru lentamente levantava seu rosto lentamente, seu coração pareceu esmagado quando ele viu o quanto Yuichi lamentava a perda do seu anel como se alguém tivesse morrido. “Kazuki, eu...”
“Seu idiota... Porque você foi jogá-lo fora? Quando foi que eu já falei que me irritava em compartilhar anéis com você?”
“Não, eu... era eu... eu não gostava.”
“Mas você não precisava se livrar dele!”
“Não, não é isso!” Balançando a cabeça vigorosamente, Wataru interrompeu Yuichi. Porque era verdade que quanto mais real os sentimentos eram, mais difícil era expressá-los? O Yuichi que ele amava estava parado bem na frente dele mas nenhuma quantidade de palavras garantiria a ele o coração de Yuichi. Os sentimentos de Wataru estavam ligados ao anel, e agora ele provavelmente nunca mais teria nenhum deles.
“O seu anel e o meu, eles não são a mesma coisa. Eles são completamente diferentes, eu entendo isso agora. Mas quando eu descobri, me doía usar meu próprio anel, então...”
“Descobriu? Descobriu o que?”
“Seus verdadeiros sentimentos. Você...”
“Ãh?”
“Que você não estava olhando... pra mim.” No momento que as palavras saíram ele percebeu que era tarde demais.
Wataru tentou se calar, enquanto sua mão direita se balançava. Sem uma palavra, Yuichi o puxou para mais perto e forçou-o em um abraço.
“Eu...?” A voz de Yuichi tremeu tristemente, o que fez uma bela ressonância no ouvido de Wataru. “Você acha que eu não estou olhando pra você...?”
“Kazuki...”
“Wataru... você é um idiota.” Yuichi segurou seu rosto e o levantou, Wataru instintivamente fechou os olhos. Seus cílios foram umedecidos pela respiração de Yuichi e, pouco a pouco, Yuichi baixou lentamente seus lábios nos de Wataru. Suas respirações quentes se misturaram enquanto o calor de seus corpos disparou. Wataru se sentiu completamente tomado. Era um beijo passional assim.
A respiração dele foi envolvida pelo toque macio de Yuichi, e enquanto sua cabeça girava, Wataru tentava arduamente se concentrar no que estava despertando em seu corpo. Mas então se seguiu outro beijo e sua razão e resistência desapareceram completamente. Os lábios de Yuichi estavam mornos nos dele e Wataru gradualmente abriu seu coração para esse prazer. Quando Yuichi capturou seus lábios fortemente em sua própria boca, Wataru sentiu um doce entorpecimento todo o caminho até a ponta de seus dedos e ele suspirou profundamente de novo e de novo, extasiado nos braços de Yuichi.
No silencio, seu coração estava batendo furiosamente e Wataru tentava trazer sua consciência de volta a realidade. Quando ele sentiu o toque do anel da mão de Yuichi que estava segurando suas costas, ele acordou de seu sonho com um clique.
“O-o que você está fazendo?!” Ele empurrou o corpo de Yuichi para longe mordeu o próprio lábio para tentar afastar a doçura que permanecia ali. Wataru não perdeu a tristeza, o traço fraco de atordoamento que flutuava nos olhos de Yuichi enquanto ele o olhava silenciosamente. “Seu desgraçado! Se isso é uma piada ruim, bem, eu não estou rindo!”
“Então o que? Você queria um beijo cômico?”
“Eu não quero ouvir isso! Você me machucou, seu imbecil! Pervertido! Tarado!”
Esse anel que você sempre mantém tão perto, você ama ele porque ganhou dela. As palavras quase engataram em sua garganta. Wataru olhou de volta para Yuichi, que estava olhando para ele com uma expressão desapontada.
Mas talvez, só talvez, se eu o alcançasse agora... o pensamento passou rapidamente pela mente de Wataru. Talvez, mesmo que fosse uma chance em um milhão, Yuichi talvez pegue a mão dele. No momento que aquela fina esperança nasceu em seu coração, ela foi extinta antes mesmo que tomasse forma. Suspirando levemente, Wataru fez o seu melhor para controlar o tumulto dentro dele enquanto disse, “Eu peço desculpas pelo boato. Sinto muito.”
“Isso não importa agora.”
“Importa sim! Eu mesmo contarei para todo mundo que não era verdade. E sobre a Karin...”
“Que? Você quer arranjar um casamento entre nós ou algo assim?”
“Não, nada desse tipo. Uh, você foi até a escola dela para ajeitar as coisas pra mim, certo? Ela estava feliz sobre isso então... obrigada,” Wataru disse, inclinando sua cabeça.
Yuichi se virou parecendo perturbado. Ele empurrou sua franja para trás com seus longos dedos e murmurou pesadamente, “Você e sua irmã, vocês realmente se parecem.”
“É... Nós frequentemente somos confundidos como gêmeos.”
“Eu sabia que era ela na hora só de olhar o rosto dela. Eu entendi. Se eu começar a sair com sua irmã, aquele boato vai se tornar realidade, certo? Porque não fazemos isso?” Yuichi sugeriu em um tom imprudente, virando-se novamente para Wataru.
“É uma boa ideia, não é?” O sorriso contorcido no rosto dele contradizia suas palavras. “Então tudo vai dar certo. Certo, Wataru?”
“O que você está dizendo?”
“Eu falo sério. Ela é bem bonitinha. E eu gosto das obstinadas. Além disso, o fato de que ela parece com você seria divertido.”
“Di-divertido...?”
“Continuar esse cenário romântico com sua irmã.”
Pa!
O som vívido cortou o ar e ecoou na sala fechada. A bochecha esquerda de Yuichi avermelhou instantaneamente diante dos olhos de Wataru.
“Kazuki, terminamos a conversa!”
“.....”
“Eu nunca mais quero ver você! Meu anel se foi também, então está ótimo!”
“Ei, o que você... Espera um pouco!”
“Não! Adeus, Kazuki!”
Tendo sido estapeado e renunciado, Yuichi parecia bem apavorado – nem um pouco como ele mesmo. Provavelmente ninguém além de Wataru tinha visto um Yuichi Kazuki tão sem compostura. No fim, valeu a pena só ver a expressão dele.
Deixando a sala do conselho estudantil para trás, Wataru andou rapidamente pelos corredores que agora estavam quietos durante as aulas. Enquanto ele estava andando, lágrimas brotaram de seus olhos e dessa vez ele não se importava em tentar impedi-las.
“Um beijo cômico... Que inferno é isso...?” Wataru murmurou, derramando lagrimas. “Seu senso de humor é totalmente uma droga...” Enquanto ele falava, as lagrimas caíam com um ritmo de gotejamento que, apesar da tristeza dele, pareciam engraçadas de algum jeito. Ele começou a rir por entre as lágrimas. Ele iria continuar chorando pelo seu riso para sempre.

O boato morreu e todos logo se esqueceram sobre ele sem Wataru realmente ter que se esforçar. Kawamura mostrou seu ímpeto e voltou a investir em Mai, só para levar o fora de novo, mas ele parecia ter parado com as sessões de beber e xingar Yuichi. Em vez disso, ele disse que queria se juntar ao time de basquete – mesmo que fosse quase o fim do primeiro semestre do segundo ano deles – e ele realmente fez a tentativa.
Wataru manteve sua palavra e tentou ao máximo evitar Yuichi, e da parte dele, Yuichi manteve distância de Wataru também. De acordo com um novo boato, o anel de Yuichi estava intacto e em boas condições, mas Wataru nunca veria o dia em que pudesse confirmar isso. O pensamento fez seu coração doer de tristeza.

Karin era de câncer, nascida em Julho, então ainda tinha bastante tempo antes do verdadeiro aniversário. “Mas talvez quando você e eu estivermos livres, porque nós não...?” E foi assim que ela compeliu Wataru a sair para comprar um presente no dia seguinte. O que ele realmente queria fazer era passar um dia quieto em casa, curando seu coração quebrado, mas ele sabia que esse motivo não passaria com Karin.
“Você não pode ficar deprimido, você tem que encontrar um novo amor!” ela disse enquanto o arrastava para fora de casa. “Ah, esse é o lugar. Eu encontrei ele na internet. Dizia que todos os acessórios deles são originais! Isso não é fofo?!”
“Não escolha alguma coisa muito cara.”
Ignorando completamente o comentário de Wataru, logo que eles entraram na loja, os olhos de Karin dispararam como de um caçador. Desde aquele anel, Wataru estava abolindo qualquer acessório, mas tinham muitos bons designs unissex que pareciam seu estilo, então ele começou a pensar em comprar alguma coisa.
“Ãh? Você quer alguma coisa também, Wataru?”
“Estou pensando nisso, se tiver algo bom.”
“Bem, esse é um passo na direção certa! Essa semana, você parecia que iria morrer! Mas agora, seu espirito parece ter voltado um pouquinho. Esse é um sinal de que você está melhorando. Viva!”
“Você está exagerando.” Na verdade, a dor em seu coração não havia curado nem um pouco. Todos os dias ele tinha que espantar os vestígios de memória de Yuichi, mas ele não queria entrar nessa conversa com ela.
Se apaixonar tinha acontecido tão rápido, mas amor parecia exigir o que parecia uma vida para resolver. Wataru estava atormentado por esse princípio ilógico.
“Bem vindos.” Ela deve ter ouvido eles entrando, porque uma jovem mulher veio da parte de trás. Ele tinha a impressão de que dentro da loja havia um estúdio de metalurgia. Talvez ela estivesse trabalhando em algo porque ela usava um avental e tirava as luvas que ela estivera usando enquanto os cumprimentava alegremente. “Se tiver alguma coisa que interesse a vocês, eu posso tirar. Por favor, sintam-se a vontade para pedir.”
“Esses são todos feitos aqui, certo? Você mesma os desenha?”
Karin inquiriu em uma voz amigável, e a mulher assentiu. Ela disse que ainda era uma aprendiz e que ela trabalhava na loja meio período enquanto estava na escola. A dona criara sozinha quase toda a mercadoria, e então ela começou a adoração sobre ela.
“Ah, aqui está ela. Essa é a dona.” A mulher apontou para a porta e Wataru e Karin se viraram. Uma bela mulher vestida elegantemente em uma blusa simples de seda e calça de linho combinando entrou carregando caixas de papelão com as duas mãos.
“Que...?” Assim que Wataru viu o rosto dela, ele congelou na hora. A mulher que acabara de ser apresentada como dona era a mesma beleza que Yuichi chamara de Toko.
Toko sorriu para eles em cumprimento e quando a menina de meio-período foi ajuda-la elas desapareceram pela porta dos fundos. Depois de um momento Toko voltou sozinha. A jovem mulher que tinha vindo antes devia ter voltado para o seu trabalho. Sorrindo graciosamente exatamente como havia feito quando estava com Yuichi, Toko começou a explicar as peças para Karin.
“Isso mesmo. Agora isso é tudo de ouro e prata. Tem várias pulseiras de prata esgotadas, mas eu não tenho certeza se esse é seu estilo... Já que é seu aniversário, porque você não deixa seu namorado lhe mimar um pouco e escolher algo como um anel?”
“Não, infelizmente, ele não é meu namorado.” Karin acenou a mão apressadamente, negando o que Toko dissera. Foi isso que fez Toko olhar de Karin para Wataru pela primeira vez.
É claro, não havia razão para pensar que Toko reconheceria Wataru mas mesmo assim seu coração começou a palpitar. Já que Toko era rival no amor de Wataru de certa forma, manter sua compostura exigiu um pouco dele.
“Com licença,” ela disse. “Você é um estudando na escola Ryokuyo?”
“Ãh...? Sim, mas...”
“Então você conhece um estudante do terceiro ano chamado Yuichi Kazuki? Ele é meu primo.”
Então ela é uma parente... Ele disse para si mesmo, enquanto tudo que ele podia fazer era assentir vagamente. Se ela era uma prima de primeiro ou segundo grau, ainda era muito mais provável ela ser o interesse amoroso dele do que um cara como ele seria.
Parecia que sua resposta restrita foi insatisfatória para Karin. Ela rapidamente entrou na conversa, “Nós conhecemos bem Kazuki!” Ela enfatizou. “Ele ajudou meu irmão muitas vezes. Ele era... um cara muito bom.”
“Karin, você está usando o verbo no passado.”
“Ah, ooops... Mas, no que você estiver envolvido, Wataru, é o mesmo que ele estar mor-... Me desculpe.” Erroneamente, Karin tinha esquecido que Toko estava lá, e ela apressadamente balançou a cabeça.
Mas ao invés de ficar ofendida, Toko havia juntado suas sobrancelhas perfeitamente penteadas quando disse solenemente, “Na verdade, ele está agindo como uma pessoa morta.”
“Você está falando de Kazuki?”
“Sim. Aquele garoto é tão orgulhoso, e eu tenho certeza que ele age perfeitamente normal na escola, mas me disseram que ele praticamente parou de falar em casa. Ele não come e não quer sair do quarto dele. Parece que ele tem estado assim por uma semana inteira.”
“Uma semana...” Enquanto Toko falava, Karin casualmente cutucou Wataru nas costelas com o cotovelo. Falando dessa semana que passou, Wataru estivera levando quase o mesmo estilo de vida sombrio enquanto tentava se recuperar do choque de seu primeiro amor. Isso poderia ser só coincidência?
“Eu não sei o que aconteceu, mas os pais dele estão bem preocupados e eles vieram discutir isso comigo. O irmão de Yuichi é casado e mora em outra cidade, mas ele e eu crescemos juntos, então nós somos como irmão e irmã...”
“E você não sabe o motivo?”
“Yuichi não fala nada. Aconteceu alguma coisa na escola? Algum problema?”
“Problema...?”
“Aquela criança, desde pequeno, ele é bom com as pessoas. Mas de alguma forma, eu acho que isso causou muito estresse para ele. E já que ele se dá muito bem, as expectativas das pessoas sobre ele são muito altas também.”
“Ele é gentil, não é?” Assim que as palavras saíram da boca dele, o próprio Wataru ficou surpreso. Yuichi havia sido cruel com ele muitas vezes. A única vez que ele mostrou alguma gentileza foi aquela vez na biblioteca. Na verdade, ele malmente havia visto um fragmento da gentileza dele.
Mas... Wataru procurou em sua memória. Pensando no jogo de basquete, Wataru de repente entristeceu. Yuichi tivera fingido que estava participando por um capricho, e com a vitória bem diante dele, como alguém de fora ele entregara a vitória para o time. Essa era a verdadeira natureza de Yuichi, até Wataru podia dizer isso com certeza agora. Ele é tão orgulhoso que, encolhendo os ombros, ele dissera que era “irritante”, mas ele esperara Wataru ir atrás dele. Ele sentira, instintivamente, que Wataru o entenderia.
“Eu não aguento ver ele assim.” Toko colocou a mão na bochecha deixando escapar um suspiro perturbado. “Ele está agindo como alguém que tive o coração partido. Para um garoto que parece tão perfeito, me pergunto se as coisas não funcionaram do jeito que ele esperava. E depois de tudo o que eu fiz para ajudá-lo...”
“Ajuda?” inconscientemente, Wataru deu um passo para mais perto de Toko, não querendo deixar aquela palavra passar. Porque alguém como Toko, que já era amada por Yuichi, teria que ajuda-lo? Era o anel dela que Yuichi valorizava – “É preciso para mim então eu não quero perde-lo”, Wataru havia ouvido ele falar.
Não, espera um minuto... só então, uma peça se encaixou na cabeça de Wataru.
“Um amigo fez ele para mim e... é precioso para mim e não quero perdê-lo.” Um amigo fez para ele... “Foi pedir muito, mas eu fiz Toko fazer para mim como um presente.”
Poderia ser que... foi ela quem fez o anel...a pedido do Kazuki?
“O mesmo anel usado pela pessoa que ele ama. Foi isso que ele me pediu para fazer.”
“A pessoa que ele ama...”
“Sim. Tudo que sei é que é alguém da escola dele.”
“Qu-quando foi isso?”
“Humm... Eu acho que foi por volta do tempo que as flores de cerejeira começaram a cair, então deve ter sido em abril. Sabe, tem uma linha de cerejeiras todo o caminho da estação para a Ryokuyo, certo? Ele me pediu logo depois que fomos vê-las. Então provavelmente foi em...”
“Abril...” Foi aproximadamente no mesmo período que Wataru perdera seu anel pela primeira vez. Ele não sabia onde ele estava por volta de uma semana e então, um dia, ele simplesmente reapareceu de repente. Poderia ser que Yuichi estava envolvido com isso de alguma forma?
Ele não sabia. Toko havia dito que não sabia nada sobre a outra pessoa. E além do mais, Wataru havia comprado aquele anel em uma loja qualquer. Era provavelmente tudo sobre o anel de outra pessoa. E de qualquer forma, a atitude de Yuichi para com ele não lhe dava razão para pensar de outro jeito. Além disso, Wataru não tinha se incomodado por Yuichi parecer odiá-lo tanto? Aquilo o deixara triste, o que foi o motivo por ele ter arremetido para cima dele tantas vezes, enquanto Yuichi apenas aceitava calmamente.
Mas espera, Yuichi supostamente não era um cara teimoso e orgulhoso?
“Você está apaixonado por mim?” Na imaginação de Wataru, Yuichi dissera isso com um sorriso um pouco perverso. Agora ele mesmo queria fazer a mesma pergunta. Encarando aquele rosto belo e tratante, ele queria perguntar a ele imediatamente.
Você está apaixonado por mim...?
“Um, uh... Com licença, você sabe onde Kazuki está hoje? Por favor, me diga.”
“Huh?”
“Eu quero vê-lo! Tem uma coisa que eu preciso perguntar para ele em pessoa. E precisa ser agora!”
“Y-Yuichi? Ele provavelmente está em casa... mas eu ouvi que ele está entocado em seu quarto, então...” Talvez, espantada com a urgência de Wataru, Toko respondeu parecendo assustada de certa forma. Karin, que não tinha ideia do que estava acontecendo, olhou com surpresa para seu irmão repentinamente vivaz.
“Em casa? O atalho é pelo playground, certo?”
“S-Sim... Como você sabia?”
“Muito obrigado!” Ele fez uma reverência bruscamente e se apressou para fora da loja, deixando Karin para trás.
“Wataru...?!” E quanto ao meu apresente...?  Ela se absteve-se de continuar, quando olhou para Toko ao lado dela, que estava tão aturdida quanto ela. “Há quanto tempo você sabe?”
“Huh?”
“Sobre o Wataru. Se você não o conhecesse, você não saberia que escola ele frequenta só de olhar para a cara dele. E você não teria falado sobre um assunto tão particular tão abertamente, pelo menos não normalmente.”
“Nossa, você é uma garota inteligente.” Os ombros de Toko se sacudiram com uma risada enquanto espiava o olhar inflexível de Karin. “Você parece exatamente com o seu irmão. Me pergunto porque Yuichi não escolheu você. Então não teria nenhum obstáculo. Ele poderia ter proferido os sentimentos dele e vocês estariam juntos. Não haveria necessidade para uma paixão tão sem solução.”
“Mas se ele estivesse interessado apenas na aparência, então ele não teria se apaixonado por Wataru, um cara, pra começo de conversa, certo? Kazuki parece legal, mas ele não é um romântico incorrigível? Tinha aquele anel, e o fato que ele tomou interesse no Wataru...”
“Wataru é fofo. Ele tem um belo rosto, mas parece tão intenso. Para um aluno de honra como Yuichi, alguém esquentado como seu irmão é a combinação perfeita,” Toko disse sutilmente, então ele aproximou o rosto de Karin maliciosamente. “Yuichi tem uma foto do seu irmão. É um instantâneo de um festival escolar ou algo assim. Aconteceu de eu ver que ele guardava isso secretamente. Então quando Wataru entrou na loja hoje, tudo se encaixou. Eu pensei, Ah, entendo, meu pequeno Yuichi foi capturado por esse garoto.”
“Então... isso incomoda você?”
“O que? Não, só estou surpresa.” Toko balançou sua cabeça calmamente, sorrindo. “Se Yuichi ficar ainda mais viril com o amor dele por Wataru, então eu não tenho reclamações. Eu amo admirá-lo e exibi-lo, sabe...” As duas riram.
“Então vamos escolher seu presente, pela conta de seu irmão, é claro,” Toko disse, cordialmente pegando a chave da vitrine. “Vá em frente e pegue algo caro, é o mínimo que ele pode fazer. Para alguém no topo da felicidade, é uma obrigação... você não acha?”

E, seu caminho para o parque, o sol começou a se pôr. Consumido de ansiedade, Wataru acelerou seu passo e se apressou. Se possível, ele queria ver o rosto de Yuichi na luz do dia, e seu os deuses favoreciam essa combinação ele ainda teria bastante tempo. Essa era a esperança dele enquanto andava silenciosamente sob o céu índigo.
Passando pela fonte e cortando pelo trepa-trepa [N/T: aff. Esse negócio não tem outro nome não? ¬¬] onde a menina estava brincando, Wataru continuou. Atravessando a rua devia ser a casa de Yuichi, onde os grandes arbustos de hidrângeas estavam totalmente floridos.
E então.
“Esse é o caminho errado. Aonde você pensa que está indo?”
“Ãh?”
“Minha casa é três portas além da casa com hidrângeas. Essa aí é da viúva, sra. Kanazawa. Entendeu?”
“Kazuki...” Tinha uma montanha de perguntas que ele queria fazer – “Porque você está aqui?” ou “Desde quando? – mas só de ver o rosto de Yuichi fez tudo melhorar, ele parecia tão maravilhoso enquanto saía das sombras das hidrângeas.
Wataru parou, respirando lenta e profundamente enquanto esperava que ele se aproximasse. O que ele diria primeiro? Se ele retirasse o que havia dito semana passada sobre ter terminado com ele, Yuichi provavelmente sorriria e o perdoaria. Enquanto ele pensava sobre isso, ele começou a perder a confiança, e sem pensar ele fechou os olhos.
Se preparando para o que estava prestes a acontecer, no momento que ele se preparou para respirar fundo, Wataru foi tomado pelos lábios de Yuichi. Caindo na doce respiração dele, a leve febre emanou de suas bocas conectadas e começou a se espalhar por todo o corpo de Wataru.
Mudando o ângulo de sua cabeça e alternando entre beijos suaves e profundos, Wataru se encontrou fortemente envolvido por Yuichi. Alguma coisa no jeito como os braços dele envolviam suas costas, aquecendo-o como o sol, trouxe-lhe memórias.
Suas línguas quentes entrelaçadas, e enquanto eles pressionavam seus lábios juntos vez após vez, cada um deles saboreava passionalmente a respiração do outro. Wataru manteve seus olhos fechados da tontura, por isso parecia que o calor e os beijos de Yuichi fossem todo o seu mundo.
Quando seus lábios finalmente se afastaram, eles permaneceram nos braços um do outro por um tempo, escutando a batida do coração um do outro. Se um deles tentasse falar, o som indiscreto teria acabado com o momento, então parecia que ambos estavam desamparados no silêncio.
Não muito tempo depois, no entanto, Yuichi quebrou o feitiço hesitantemente. Em uma voz meio rouca, ele amavelmente pronunciou o nome de Wataru. “Wataru...”
“Sim.”
“Você... me ama?”
“Sim.”
“Entendo.” Isso foi tudo o que Yuichi disse antes de cair no silêncio de novo. Ao invés de se confessar, ele apertou seu abraço, e Wataru soltou um longo suspiro.
“Toko me ligou. Quando ela disse que você estava a caminho daqui, por um segundo, eu pensei que você vinha me espancar.”
“Por que eu viria para brigar com você?! Você é tão rude!”
“Teve uma batalha de verdade no meu aniversário, sabe. Por causa do boato estranho que você começou, garotas vieram em massa, todas carregando presentes e querendo saber a verdade. Mas nenhuma delas sabia como sua irmã parecia, então todas elas suspeitavam uma da outra. No fim, foi uma grande bagunça.”
“Então foi isso que aconteceu...?” Deve ter sido por isso que Yuichi estivera tão irritado na sala do conselho estudantil. Por causa do boato descuidado, todos os esforços dele de ser educado com as garotas foram por água abaixo, então não era surpresa que ele tivesse agido tão imprudentemente.
“Eu decidi que nunca mais vou ser educado com garotas de novo, não importa o que. Eu vou parar de ser gentil com elas também.”
“Vo-você tem certeza? Sabe, sua reputação vai sofrer...”
“Quem se importa? Não ligue para isso, é melhor você também ter cuidado. Em primeiro lugar, agindo como um vigarista barato de casamento, não fique noivo tão facilmente... Cara, você me deixa puto.”
“Noivo?! C-Com quem?!” Ouvindo essa besteira Wataru ficou chateado de novo.
Yuichi afrouxou seus braços e soltou Wataru, lentamente colocando sua mão no bolso de sua jaqueta. “Eu sou acostumado a ter garotas chorando perto de mim, mas dessa vez nem eu sabia o que fazer. É melhor você se desculpar com a Takako depois.”
“Takako? Quem é?”
“Minha pequena e fofa sobrinha. Takako Kazuki, cinco anos de idade. Aqui,” ele disse secamente, enquanto o anel que Wataru pensou ter jogado fora apareceu na sua palma aberta.
“P-porque...?”
“Eu peguei de volta pra você. Eu não aguentaria que você ficasse noivo sem o meu consentimento. Ela estava aqui no meu aniversário. Com meu irmão.”
Enquanto ele ouvia Yuichi, Wataru lembrou de sua troca com a garotinha no trepa-trepa [N/T ARG! DX] com um vestido rosa e laços no cabelo, a pequenina havia realmente acreditado que ele lhe dera um anel de casamento. “dachshund-de-pelo-longo miniatura...”
“Você quer dizer o Puru? Aquela droga de cachorro, durante a briga de garotas, ele deu um jeito de fugir. Então eu tive que passar o resto do meu aniversário procurando por ele em todo lugar.” Como se a memória irritasse ele, a ruga entre as sobrancelhas de Yuichi ficou ainda mais profunda.
Wataru riu amargamente enquanto ele pegava o anel e cautelosamente tentava fazer a pergunta que ele tinha pensado no caminho até ali. “Uh, humm... Quando eu perdi meu anel daquela vez, foi você quem colocou de volta na minha carteira? Se foi, então porque você fingiu não saber sobre isso quando eu lhe contei?”
“Toko lhe contou tudo, não contou? Você realmente tem um pavio curto. Tão cruel...” O que Yuichi disse era bem injusto, mas Wataru calmamente esperou por uma resposta, olhando para o céu do entardecer até que finalmente começou a perder a paciência.
“...Foi uma completa coincidência eu achar o seu anel. É claro, eu não fazia ideia de quem era o dono, e para ser honesto, eu realmente não me importava. Então, dois ou três dias depois, eu estava matando tempo na sala do conselho estudantil olhando álbuns de fotos quando encontrei um instantâneo seu no festival da escola. Na foto, você estava usando o anel que eu tinha encontrado. Mas é um anel genérico, poderia ser de qualquer um, certo? Já que eu não tinha certeza, eu coloquei na sua carteira secretamente para ver como você reagiria.”
“E-Então... você estava por perto? Quando eu achei o anel?” a voz de Wataru aumentou de surpresa, enquanto Yuichi encolhia os ombros sem remorso.
“Bem perto. Eu parei na porta para ver sua reação. Naquela hora, eu tratei isso como um tipo de jogo, então se eu estivesse errado, era isso.”
“Então, foi assim...”
“Mas você estava feliz.”
Era isso que eu ia dizer, Wataru já ia responder. Mas ele não disse uma palavra quando ele viu o olhar sincero nos olhos de Yuichi.
“Quando você viu o anel, você pareceu maravilhoso. Seus olhos brilharam, e seu rosto inteiro se abriu em um sorriso. Eu nunca tinha visto um sorriso daquele antes. Foi naquele momento que me apaixonei por você.”
“.....”
“Na segunda vez, claro, eu entrei em pânico. Por acaso eu estava usando o banheiro do terceiro andar e, de todas as pessoas para quem podia emprestar meu lenço, acabou sendo você. Você faz ideia do quão envergonhado eu fiquei? Eu estava usando o anel que eu copiei de você. Meu único pensamento foi que eu não deveria deixar você ver. Você não sabe o quanto foi difícil depois daquilo ter que falar com você.”
“Por que? Se você só tivesse me dito honestamente...”
“Outro cara de repente confessa o amor dele por você, e você diria ok, assim? Eu estava lutando com meus próprios sentimentos também. Eu nunca imaginei que eu me veria apaixonado por um homem mais novo...” Nesse ponto, o rosto de Yuichi corou. Seus olhos geralmente frios brilharam aquecidos, e ali diante dos olhos de Wataru estava o cara que ele amava. Pela primeira vez, ali estava o verdadeiro Yuichi Kazuki.
“Kazuki...”
“Isso é bom. Eu finalmente pude vê-lo.”
“Huh?”
“Esse mesmo sorriso. É o sorriso pelo qual me apaixonei. Eu pensei que eu provavelmente nunca poderia vê-lo de novo. Já que eu nunca tinha sonhado que se tornaria mútuo entre nós.”
“Por que não?”
“Qual é, Wataru, você poderia chegar para uma pessoa que você não conhece e dizer, ‘Eu estou apaixonado por você e copiei seu anel. Então aceitaria namorar comigo?’ Me desculpe, mas isso é demais. Mesmo que eu fosse o garanhão do século, é simplesmente impossível.”
“Ah, verdade...” Wataru vinha escutando atentamente mas quando ele escutou esse comentário ridículo, ele quebrou a conversa do nada. Que seja, ele suspirou, tentando colocar o anel no seu dedo médio. “Huh?”
“O que?”
“Não cabe... Por que não? Por que não cabe?! Essa última semana eu deveria ter perdido peso, e você está me dizendo que eu ganhei?!”
“Ah, ele não vai caber no seu dedo médio.” Yuichi respondeu Wataru simplesmente, que estava todo atordoado do lado dele. “Esse é o meu.”
“Você disse... o meu...”
“Eu estou com seu anel. Normalmente, você pode dizer só de olhar. Os tamanhos são diferentes.”
“P-Po-Por que...?”
“Você me ama, não?”
“Huh?”
“Então segue que a posição dos nossos anéis deve mudar, certo? Pense nisso, Wataru. Ambos nossos anéis cabem no dedo anelar do outro, certo? Então é lógico que nós os troquemos, não concorda?” Colocando o anel de Wataru no dedo anelar direito dele, os olhos de Yuichi brilharam como se tivessem sido pegos no meio de um truque.
Depois de um momento, Wataru notou isso com surpresa, quando ele deu um sorriso rápido, e colocou o anel de Yuichi no seu próprio dedo anelar.

Começando amanhã, um novo boato circularia pela escola. Ele até já podiam ver todos fazendo um estardalhaço sobre o anel de Yuichi ter mudado de seu dedo médio, e Wataru ter recuperado seu anel combinando.
Mas no final, só o dedo anelar sabe a verdade.



*****
Acho que dessa vez aloprei nas imagens... hehehe Mas~
Tão moe~




11 Comentários

  1. Podiam fazer um anime ia ser bem legal

    ResponderExcluir
  2. Lena essa novel mal começou e já acabou?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, não. Eu me enganei! Esse é o fim do mangá, mas a novel continua. Eu não estava me lembrando bem e pensava que o primeiro volume terminava aí, mas é, tipo, só o primeiro capítulo do primeiro volume. hahaha Mas já fiz a correção! >w<

      Excluir
  3. Que kawai!
    Esse dedo anelar sabe é de coisas...
    Surpresa!? Lena não brinque cmg assim, tenho problema de pressão.

    ResponderExcluir
  4. Adorei, eu já tinha lido o mangá e realmente estou super ansiosa por toda a novel, e lendo ao som da trilha sonora de Love sick ficou melhor ainda. Eu queria fazer uma pergunta eu não sei se aqui pode mas vou fazer assim mesmo, vc não poderia traduzir a novel de love sick eu já li até o capitulo 37 que eu achei em espanhol a pessoa parou de traduzir agora só tem em ingles, eu ficaria eternamente grata, Obrigado bjss.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Era uma das minhas ideias, inicialmente, traduzir LoveSick, mas me passaram o link da página do Facebook de um grupo que está fazendo a tradução. Vê lá no post do Cap. 7 de Uncontrolled Love (porque se eu colocar o link aqui não vai funcionar. hehehe) que lá eu postei o link. Eles já traduziram até o cap. 52. =)
      bjsss

      Excluir
  5. Meu Deus , tive que entra na conta do Google so pra dizer que FOFO CARALHOOOO , QUE FINAL CUTE

    ResponderExcluir